domingo, 6 de janeiro de 2013

" Verdade - Eterna Preocupação Humana!






“... Que a reputação do teu semelhante
seja tão estimada por ti quanto a lua...!”.

Talmude (obra hebraica pós-bíblica) aboth, II,15



 Nos pensamentos de Fedro, um fabulista latino, do século I d C, em suas fábulas IV, 10 1-5 ele deixou registrado: “... Júpiter colocou sobre dós dois alforjes (sacolas de couro que colocado sobre o lombo do cavalo, ou colocada sobre a cabeça com uma sacola às costas e outra a frente) sobre nossas costas, aquele carregado com os nossos defeitos; e, na frente, sobre o nosso peito, aquele com os defeitos dos outros; Por isso não podemos distinguir nossos defeitos, mas basta que os outros errem, para estarmos prontos a criticá-los...!”
Li de um ser muito amigo, de consciência tranquila, de coração vivenciado, de mente irrequieta e alma iluminadissima pelos obstáculos que a vida lhe impôs uma sugestão direta, que obviamente saiu como defesa: “Sugiro que fique só com o que ficou de bom de tudo isso – que pelo visto, foi muito. A vida passa muito rápido. Penso que tudo deve fluir para o caminho da alegria no sentido da vida. O resto... que fique para trás. Sei que há pessoas diferentes. Fazer o quê?...”. Eis aqui a sua percepção de verdade.
 Um dos conceitos mais fundamentados, obviamente mais antigos, formatados pelo homem, a verdade, está na filosofia: Na Metafísica é a que procura penetrar no que está “além” ou “ por detrás” do que nos é dado pela experiência imediata. Já no Método, cuja origem está no grego, significa “caminho para algo”. É todo um conjunto de processos e regras. Uma espécie de manual de viver em grupos. Deste originou-se o método experimental. Não é importante aqui. Porém, destes grupos sociais, veio uma adjetivação: A Moral. E em nossa origem latina significa apenas, costumes, hábitos, maneiras habituais de proceder. Por sua vez pode ser entendido como um conjunto de princípios, normas, valores de caráter vigentes em grupos e aceitos pelos seus membros, antes de qualquer reflexão sobre o seu significado, a sua importância ou necessidade.
E isso aplicamos as relações. Em todos os sentidos. Para nós é verdade. Tenha sido ela imposta por educação ou a cultura que é a vivência ou experiência nos grupos em determinado tempo. Assim como a resposta utilizada acima. Mas ela diz mais, um pouco adiante.
“... Eu, enquanto Lua – Só para matar a curiosidade de quem quiser conhecer quem escreve com a cabeça na lua e os pés fincados no chão. Eu, e minha veia lunar num dia azul, por que se dependesse de mim, além da lua, o mundo seria também assim: Iluminado por um sol azul...!”.
Sinta através destas palavras, ditas poeticamente, um eterno posicionamento de verdade que está em nossa memória genética. E isso levamos para nossas relações. Sejam elas de que tipo for: Amizade, familiares, profissionais, amorosas e com nosso próprio coração. Eis aí algo que se torna sofredor facilmente imposto por verdades, geralmente alheias, até que conseguimos conceituar nosso próprio fundamento. E isso leva tempo. E isso deixa marcas, cicatrizes. E isso nos afasta, na maioria das vezes do convívio dito “social”. Nos exilamos? Não. Não é isso. Mas estamos cada vez mais vivendo em um mundo em que a proximidade se torna mais “próxima” e ao mesmo tempo longínqua. Falo das comunicações e sua velocidade estrondosa. Arrumamos amigos virtualmente com tanta facilidade, que no conforto de nossa cadeira esbaldada pelo conforto e segurança de nossa própria “caverna” nos comunicamos com o mundo todo. E julgamos estar suprindo carências e até solidão. Desta forma formamos “amigos”, e nos “apaixonamos” virtualmente. Não necessitamos mais de contato. Afinal se não der certo, basta desligar o aparelho. Bem nessa verdade esta inserida uma mentira típica de uma ausência de convívio, para começar conosco próprios. Nesta busca de “verdades” que muito mais nos é incutida do que realmente uma realidade plausível,  surgem outras necessidades. Afeição.
Uma longa conversa e muita gente consegue levar às relações mais intimizadas, esses “bate-papos” eletrônicos, ainda ficam dependentes do afeto. Como dar e sentir um abraço virtual? Como através de um sinal de satélite, seja via computador ou telefone, substituir nossas necessidades mais básicas? E estas não nos difere dos outros animais. Esses são afetuosos por natureza, mas conosco parece, estamos perdendo isso em nome de tal velocidade de pseudos conhecimentos e uma comunicação que de comum nada mais reserva.
Às vezes as pessoas que amamos nos magoam, e nada podemos fazer Senão
continuar  nossa jornada com nosso coração machucado.
E isso acontece na vida real tanto quanto na virtual. Muitos já estão descobrindo isso. 
Às vezes nos falta esperança, mas alguém aparece para nos confortar.
Às vezes o amor nos machuca profundamente, e vamos nos recuperando muito lentamente dessa ferida tão dolorosa.
Às vezes perdemos nossa fé, então descobrimos que precisamos acreditar,
tanto quanto precisamos respirar, é nossa razão de existir.
Às vezes estamos sem rumo, mas alguém entra em nossa vida, e se torna o  nosso destino.
Às vezes estamos no meio de centenas de pessoas, e a solidão aperta nosso
coração pela falta de uma única pessoa.
Mas veja como é fácil: Entramos na net, encontramos milhares de seguidores e dentre eles, aparece alguém para ouvir nossas lamúrias e já o tornamos “favorito”. Pronto aí está alguém para confiar.
Mas no fundo, o que esta acontecendo com o dito ser humano?
Bem, no fundo ele ainda não sabe. Parece fazer parte da conjuntura social atual e seus meios rapidíssimos de pseudacomunicação.
O que importa é que ele acredita. E isso se torna uma verdade. Ou realidade.
Até que se descubra outra.
Às vezes a dor nos faz chorar, nos faz sofrer, nos faz querer parar de viver,
até que algo toque nosso coração, algo simples como a beleza de um por do
sol, a magnitude de uma noite estrelada, a simplicidade de uma brisa
batendo em   nosso rosto, é a força da natureza nos chamando para a vida. Ou como prefere esse ser a lua. Fica entre o lado iluminado e o escuro. Fica entre o que se pode ver mostrar para determinadas pessoas e o que se deve esconder, ou guardar para alguma ocasião muito especial. Ou ainda para alguém muito especial. Míngua e cresce se torna nova e enche-se, completamente de vida.
Nesse contexto seja virtual ou real, tenha a certeza, nada substitui o toque, o afeto, um ombro e um olhar que penetra em qualquer escuridão. E a palavra que vem em seguida sai do coração e não de um teclado frio.  Estamos digitalizados, mas no fundo, primitivamente ou não, originais ou não de todo, somos de fato, ainda analógicos. E este é mecânico, elétrico. Precisa ser tocado, sentido, percebido, verificado...
Tentamos no fundo, de uma forma ou outra esclarecer o porquê que assim somos e antes de sermos assim o que éramos e porquê deixamos de ser o que éramos, para ser o que somos...
A felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para
ficar e não esteja apenas de passagem, como acontece com muitas pessoas que cruzam nosso caminho. Virtualmente ou real.
Afinal, pensar ainda não dói...


Dos Pensamentos & Leituras da Madrugada
Inspirado no Urso da Lua.
Verão chuvoso de 2013
Passo Fundo – RS –