quarta-feira, 19 de abril de 2017

Almas Enamoradas...!

#Sentimentos:

Almas Enamoradas...!
  “... É pelo olhar que as almas se
encontram e se entrelaçam como
fios da mesma teia...!”

Aila Sampaio

Geralmente, é na juventude do corpo que temos despertado o interesse em buscar o sexo oposto para compartilhar dos nossos sonhos.
Quando encontramos a alma eleita, o coração parece bater na garganta e ficamos sem ação. Elaboramos frases perfeitas para causar o impacto desejado, a fim de não sermos rejeitados.
Então, tudo começa. O namoro é o doce encantamento.
Logo começamos a pensar em consolidar a união e nos preparamos para o casamento.
Temos a convicção de que seremos eternamente felizes. Nada nos impedirá de realizar os sonhos acalentados na intimidade.
Durante a fase do namoro é como se estivéssemos no cais observando o mar calmo que nos aguarda, e nos decidimos por adentrar na embarcação do casamento.
A embarcação se afasta lentamente do cais e os primeiros momentos são de extrema alegria. São os minutos mais agradáveis. Tudo é novidade.
                                              
Mas, como no casamento de hoje observa-se a presença do ontem, representada por almas que se amam ou se detestam, nem sempre o suave encantamento é duradouro.
Tão logo os cônjuges deixem cair as máscaras afiveladas com o intuito de conquistar a alma eleita, a convivência torna-se mais amarga.
Isso acontece por estarem juntos Espíritos que ainda não se amam verdadeiramente, que é o caso da grande maioria das uniões em nosso planeta.
Assim sendo, tão logo a embarcação adentra o alto mar, e os cônjuges começam a enfrentar as tempestades, o primeiro impulso é de voltar ao cais. Mas ele já está muito distante...
O segundo impulso é o de pular da embarcação. E é o que muitos fazem.
E, como um dos esposos, ou os dois, têm seus sonhos desfeitos, logo começam a imaginar que a alma gêmea está se constituindo em algema e desejam ardentemente libertar-se.
                                     
E o que geralmente fazem é buscar outra pessoa que possa atender suas carências.
Esquecem-se dos primeiros momentos do namoro, em que tudo era felicidade, e buscam outras experiências.
Alguns se atiram aos primeiros braços que encontram à disposição, para, logo mais, sentirem novamente o sabor amargo da decepção.
Tentam outra e outra mais, e nunca acham alguém que consolide seus anseios de felicidade. Conseguem somente infelicitar e infelicitar-se, na busca de algo que não encontram.
Se a pessoa com quem nos casamos não é bem o que esperávamos, lembremo-nos de que, se a escolha foi feita pelo coração, sem outro interesse qualquer, é com essa pessoa que precisamos conviver para aparar arestas.
                                                 
Lembremo-nos de que na Terra não há ninguém perfeito, e que nossa busca por esse alguém será em vão.
E, se houvesse alguém perfeito, esse alguém estaria buscando alguém também perfeito que, certamente, não seríamos nós.
Os casamentos são programados antes do berço.
Assim, temos o cônjuge que merecemos e o melhor que as Leis Divinas estabeleceram para nós.
Dessa forma, busquemos amar intensamente a pessoa com quem dividimos o lar, pois só assim conseguiremos alcançar a felicidade que tanto almejamos.
Com todo respeito às suas crenças... Mas,  é assim!
Pensar não dói.. 
Encontrar a sintonia com uma alma é um pouco mais difícil....



Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Das audições diárias da Doutrina Web
Texto original e Redação do Momento Espírita.
Extraído do sitio 
http://rededoutrinaweb.caster.fm/
Arquivos da Sala de Protheus


domingo, 16 de abril de 2017

Estudos das Nossas Matrizes Eurocêntricas!

#SOSEducacao:

Estudos das Nossas Matrizes Eurocêntricas!
.... Devemos abandonar?
                                             
“.... É no problema da educação que
assenta o grande segredo do
aperfeiçoamento da humanidade...!”

Immanuel Kant

O desafio foi lançado ao nobre professor e Escritor Nelson Valente, Catarinense, de Blumenau.
Ao me pedir o que deveríamos fazer pelo nosso #SOSEducacao, salientou se não deveríamos mostrar todas as tais de “matrizes errôneas” que vem permeando nossa Educação no Brasil das últimas duas décadas, mesmo que tenha começado com Freyre, na década de 70. A frase título é quase uma resposta ao meu pedido de mostrar, ao contrário o que deveríamos falar, mostrar para termos uma educação primordial, em nível de primeiro mundo.
Professor Nelson começa assim, uma série de artigos que aqui serão publicados.
Antes de começar a desenvolver tudo o que se refere a esse artigo, sinto-me tentado a citar a conhecida frase de Freud, quando se referiu às três profissões “impossíveis”: analisar, educar e governar.
Quando se debate o que deve ser lecionado aos nossos alunos, a partir de uma nova concepção de currículo, a variedade é imensa.
Na discussão em torno do assunto, a imaginação é o limite. Chegamos ao absurdo de ler propostas de cortar episódios como a Inconfidência Mineira e a Revolução Farroupilha,(De extrema importancia cultural para o país - grifo do editor) sob o pretexto de que não contém elementos indígenas ou afrodescendentes em número expressivo.
Querem reescrever a nossa história, como se isso fosse possível. 
                                             
Alguns professores defenderam a tese de que devemos abandonar os estudos das nossas matrizes eurocêntricas, (Eurocentrismo é uma ideia que coloca os interesses e a cultura europeia como sendo as mais importantes e avançadas do mundo. - O Eurocentrismo é um conceito que não é mais aplicado, pois atualmente sabemos que não há uma cultura superior a outra, elas são apenas diferentes e devem ser respeitadas como tal.) o que atingiria a língua portuguesa, a sua literatura, e também a história do Brasil. Como abrir mão de tanta riqueza cultural?
Segundo uma confortável versão, quem se preocupa com essas coisas "é a burguesia". Particularmente, esgotei a minha capacidade de espanto diante de tais barbaridades. Se o aluno toma conhecimento dessa estranha orientação, de que forma terá estímulo para demonstrar apreço pela nossa história?

                                            

A educação brasileira vive um tempo curioso, para não dizer exótico. As novidades se sucedem - e o ensino está cada vez pior. Além disso, há o desprezo pelas regras gramaticais, ortográficas e nossa história como se houvesse um desejo recôndito de prestigiar a ignorância. Ou seja, ninguém deve dar bola para a gramática, a ortografia e a história do Brasil.
Se os alunos têm dificuldades de escrever e expor com clareza suas ideias é porque sua cota de informação e leitura é mínima, para não dizer inexistente. Tenho insistido na vergonha em que se constitui a nossa taxa anual de leitura: menos de dois livros por pessoa, o que nos coloca muito longe das nações mais desenvolvidas.
O Japão questiona, pois, o seu modelo educacional. Enquanto isso, no Brasil, os Ministros da Educação saem felizes do Governo porque deram merenda às crianças carentes. 
                                        

Nota do Editor:
Pelos últimos números no Brasil, o brasilês lê (pesquisa de junho de 2015) apenas 1,7 livros per capita ano. A pesquisa mostra ainda, que 50%, deste índice não leem uma obra até o final.
As regiões sul e sudeste ainda mantem os maiores índices de leitura do Brasil.
A média dos países de primeiro mundo, por baixo, é de 8,3 livros per capita ano.
Pensar não dói... Já ler, para o brasilês parece uma “doença”...
”Ninguém quer pegar! ” 




Entendimentos & Compreensões
Das Discussões e Buscas infinitas pela Educação
Com o Professor Nelson Valente
Professor Universitário e Escritor
Blumenau – SC- 
Publicado originalmente no grupo Kasal – 
Konvenios – Vitória – ES.
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28721
Arquivos da Sala de Protheus

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Lava-Jato - O que Não Foi Revelado!

#Cidadania:

Lava-Jato! 
O que Não Foi Revelado...!

             

"...Não se conhece completamente uma ciência 
enquanto não se souber da sua história...!"

Auguste Comte

Utilizo a frase em epígrafe, como um legado ao grande pensador, da qual grande parte da história contemporânea do Brasil, foi embasada, inclusive nossa constituição.
Hermes Magnus, um brasilês, que gosto de chamar de HEROI ANÔNIMO, vive, hoje, Graças a Deus, em algum lugar do mundo. Sozinho. Com seus sonhos ou pesadelos.

Ele pode ser considerado o instrumento PRECURSOR da LAVA-JATO – Nome da operação da Policia Federal, que busca as histórias da corrupção política recente de nosso país.

Sempre tive acesso às suas informações, mesmo não sabendo de onde estavam vindo (geograficamente).

Mas sempre me intrigou a paixão e risco, deste brasilês, pela VERDADE.
Hoje, coloco EM PRIMEIRA MÃO, em minha modesta página, uma parte da história, contado por ele, que será parte de um livro que já esta sendo escrito.
As palavras a seguir, apenas foram colocadas em nossa gramática correta, e todos os dados são de acordo com os originais recebidos deste grande homem, que hoje fazem parte de meu arquivo pessoal.
Compartilho. Ao mesmo tempo com prazer... E um misto de tristeza de que Magnus é um “brancaleone” – exército de um homem só, mas que tem minha admiração pela grandeza de “dedicar sua vida pelo Brasil”.
Eis a primeira parte:

- I - 

Em uma certa tarde, no fim do verão de 2009, na cidade de Curitiba, compareci conforme combinado ao prédio da PGR. Eu havia sido convidado por delegados da PF e um procurador do MPF para uma reunião. Diziam que tinham um plano. Lembro-me que subimos a um dos andares mais altos daquele prédio - na Av. Mal. Deodoro, 933 - onde fui convidado a sentar em frente a uma janela grande que dava de frente a outro prédio, provavelmente comercial. A mesa era grande em formato de U, sendo que à minha esquerda estavam 4 agentes da PF, dois eram delegados, vinham de Londrina-PR. À minha direita estavam dois procuradores do MPF: um homem e uma mulher.
Iniciada a reunião houve o primeiro ruído entre as autoridades ali presentes, pois os policiais haviam depositado todo o armamento sobre a mesa, sob a vista do prédio vizinho e foram advertidos por um dos procuradores que apontou o prédio em frente e cobrou mais discrição. 
Na sequência fui interrogado pela PF e pelo MPF. Queriam saber tudo. Respondi ao que me perguntaram. Lá pelas tantas falei sobre as conversas do Alberto Youssef e José Janene, contando inclusive sobre o episódio em que os dois, certa vez, combinaram uma viagem à Paris para visitar a sucursal do Banco Credit Agricole (banco do conglomerado GES, BES). No dia em que combinaram a viagem eles tramavam a desculpa para as “mulheres” dizendo que "seria uma viagem para elas". Mas, chegando lá, seriam abandonadas no hotel enquanto os dois iriam ao banco. Eu estava ao lado de Janene e Youssef quando eles combinaram isso, na grande mesa que Janene tinha em sua mansão, em um dos churrascos em que participei. De repente a procuradora presente, com ar indignado, disse:
“Ah, então ele mentiu, ele me disse que era viagem de lua de mel” referindo-se à Youssef, que para se ausentar do país mentiu aos procuradores, pois estava em regime de delação premiada relativo ao caso Banestado. Naquele momento eu ainda nem sabia que o Youssef - estava sob acordo de delação premiada. 
Depois disso, o MPF pediu para a PF apresentar o plano deles, sobre o qual comentei antes. Um agente levantou-se e veio até mim, com um aparelho celular preparado para escuta. Era um modelo ultrapassado, bem antigo e me ensinaram como usar. Disseram-me que bastaria eu informar o dia em que eu encontraria o Janene que eles iriam estar na redondeza, em São Paulo, no Bairro do Itaim. Garantiram que eu não deveria me preocupar e que atendesse ao chamado do Janene que tentava desesperadamente falar comigo. Ele queria que eu assinasse recibos de mútuos para concluir o ciclo de lavagem de dinheiro na Dunel. Diante da cena, a Procuradora chamou a atenção dos delegados e agentes: “ mas este aparelho é muito simples, o Janene sabe que o Sr. Magnus utiliza um smart fone e vai desconfiar”. Mas os delegados disseram novamente que eu não precisaria me preocupar, mas, se fosse descoberto, teria que correr, e que, em último caso, eles invadiriam o prédio para me resgatar. Fiquei meio desencorajado ali mesmo, tamanho o amadorismo e o choque de opiniões entre os dois grupos MPF e PF. 
Um fato, porém, veio a se confirmar como algo realmente importante naquela reunião estranha. Foi nesta reunião que o Del. Gerson Machado, que ficou por último para sair do andar, me passou o e-mail do Juiz Sergio Moro, me encorajando a contar toda a história ao juiz e me desejou sorte.
Pois bem, ali estava sendo desenhado o que viria a ser a operação Lava- Jato que conhecemos hoje. Depois daquela reunião, meu último contato com os agentes, fui embora para minha casa em Santa Catarina - onde dormia cada dia em um lugar diferente pois estava jurado pelos jagunços do Janene - e levei comigo o aparelho de escuta. Pensei e repensei e decidi não ir a lugar algum com aquilo. Tratei de estocar o equipamento em um saco blindado para componentes eletrônicos, a prova de raio-X. Minha decisão se deu principalmente depois que botaram fogo no prédio onde começou a empresa Dunel, poucas horas depois de eu marcar um encontro com um interlocutor do Janene - Jose Mugiati Neto. Após o incêndio eu liguei ao interlocutor dizendo que não falaria mais com o Janene e gravei a conversa. Para a minha surpresa Mugiatti Neto disse: 

“ Estás vendo? Isso é o contra serviço e culpou a PF pelo incêndio”. 

Enviei as gravações para a PF de Londrina-PR e ao MPF de Curitiba-PR, e juntamente, dentro de um SEDEX AR, o aparelho de escuta - envelopado na presença de testemunhas. Guardo tudo até hoje, inclusive o e-mail do agente que recebeu o aparelho, também dizendo que a mídia com o áudio estava vazia… Tornei a enviar várias vezes e diziam sempre que a mídia estava vazia.

- OK entendi o recado…

As ameaças do Janene aumentaram e eu, desesperadamente, certo dia, resolvi ligar a Londrina para falar com o delegado Evaristo, ou o Delegado Gerson Machado, responsáveis até então pelo caso. Para minha surpresa quem atendeu o telefone foi exatamente o agente que recebera o Sedex. Aos berros, histéricos, o tal agente disse: 
“Não ligue mais para cá, o Sr. está nos causando muitos problemas” e a partir daquele dia sepultei o nome PF, que não tem nenhum respeito por mim até hoje, pois recentemente tirei a prova disso. Todos os pedidos de proteção que foram feitos por mim ou por terceiros a meu favor, ao MJ, até por um senador, acabaram engavetado na PF.

Vem ai o livro com todos os detalhes... Aguardem!
Bênçãos gaúchas e divinas HEROI ANÔNIMO, Hermes!


Nota do Editor:
Com exceção da introdução, o texto acima, está completamente igual ao original recebido.
Gratidão pela confiança nobre brasilês!
No ultimo JANELAS DO BRASIL - XI - 
MARISA CRUZ fez referência a este assunto.




Entendimentos & Compreensões

Arquivos da Sala de Protheus

Recebido de Hermes Magnus

.... Em algum lugar do Planeta Terra.



Obs.:
Todas as publicações na Sala de Protheus
São de inteira responsabilidade de seus autores
Originais!

O Editor!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

JANELAS DO BRASIL 11

#Cidadania:

Brasil-Povo Sui Generis! 
                                                                                        

Janelas do Brasil – XI – 


".... Com talento ordinário e perseverança 

extraordinária, todas as coisas são possíveis...!"

Thomas Foxwell Buxton

A visão da guerreira Marisa Cruz da última semana, analisada criteriosamente nesta edição.

Ouça com atenção a "voz que incomoda os imorais e manipuladores do Brasil"!

Bela semana!



Entendimentos & Compreensões

Janelas do Brasil
Criação & Voz de Marisa Cruz
São Paulo - SP
Arquivos exclusivos da Sala de Protheus




Obs.:
Todas a publicações & Opiniões na Sala de Protheus
são de inteira responsabilidade de seus autores originais

O Editor!

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Das Dores Da Alma!

#PensarNaoDoi:

"Das Dores Da Alma!".
                                                   

“... Deus é mais belo que eu.
E não é jovem. 
Isto sim, é consolo...!”

Adélia Prado

Dos tormentos da alma, o ciúme talvez seja o mais avassalador.
Talvez, ainda, porque ele esteja sempre associado a outras emoções destrutivas como a dúvida, a angustia, a desconfiança, a mágoa... 

Ou porque, ao contrário dos demais tormentos, ele germine tanto na ignorância quanto no conhecimento (o que é pior: a dúvida ou a certeza) e tende a crescer quanto mais se pense ou racionalize a respeito.
Há ciúmes de todas as espécies, ciúmes de coisas e pessoas... Há quem diga que um pouco de ciúmes esquenta os relacionamentos. 
Há quem diga ser imune a ele. Será? 
Pois há, também, o ciúme enlouquecedor. 
                                                    
Espiral, como um ralo, que a tudo draga e por onde tudo se escoa.
Como um trem que avança incessante, dia e noite, alimentando-se em cada estação. 

Ruminado e regurgitando sobre trilhos que o impedem de se desviar do destino, este ciúme se instala e devora as entranhas de suas vítimas.
Assim foi detalhadamente apresentado por Tolstoi, na Sonata a Kreutzer. Vivido pelo Bentinho machadiano e sofrido pelo nobre Otelo.
Três clássicos ciúmes, completamente diferentes em suas razões e origens, mas todos os três aprisionando seus personagens numa enorme teia destrutiva. 
Há remédio contra o ciúme? 
A educação, com certeza, ajuda. O conjunto autoestima elevada e compreensão da alteridade preparam pessoas menos reféns desse monstro de olhos verdes. 
A psicanálise também. 
Mas, quando se trata de ciúme, só o desconforto é certo e esperado.
Por isso, compartilhando leituras, experiências e sentimentos, podemos começar refletindo sobre os versos de duas músicas brasileiras que falam do tema com bastante objetividade.

                                                   
  Primeiro, Lupicínio Rodrigues, em Nervos de aço.
"Você sabe o que é ter um amor, meu senhor"?
Ter loucuras por uma mulher
E depois encontrar esse amor, meu senhor 
Ao lado de um tipo qualquer ".

E depois, Ataulfo Alves e Mário Lago:
" Atire a primeira pedra, ai,ai,ai
Aquele que não sofreu por amor ". ··
Ah, ciúmes, ciúmes.... Ainda bem que não temos".
Ou então registrado nas letras, nos poemas de Miguel de Cervantes:
Se o ciúme é sinal de amor, como querem alguns,
é o mesmo que a febre no enfermo. Ela é sinal de
que ele vive, porém uma vida enfermiça, maldisposta.
E Rubem Alves:
O ciúme é aquela dor que dá quando percebemos
que a pessoa amada pode ser feliz sem a gente.
Mais Clarice Linspector:
O amor é vermelho. O ciúme é verde. Meus olhos são verdes.
Mas são verdes tão escuros que na fotografia saem negros.
Meu segredo é ter os olhos verdes e ninguém saber.
                                                       
    Por fim, Fernando Pessoa:
Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível, 
Com que não há verdadeiro entendimento. 
Nada sabemos da alma 
Senão da nossa; 
As dos outros são olhares, 
São gestos, são palavras, 
Com a suposição 
De qualquer semelhança no fundo.

Amar é vital... Já sentir ciúmes pode ser opcional!
Pode pensar.... Não dói!




Entendimentos & Compreensões

Leituras & Pensamentos da Madrugada

De um dia chuvoso de Outono
Publicado originalmente no Grupo Kasal
Konvenios – Vitória – ES.
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28703
Arquivos da Sala de Protheus

sábado, 1 de abril de 2017

Quando as Normas Não São Claras!

 #SOSEducacao:

Quando as Normas Não São Claras!
                                             
“..Toda regra tem exceção. E se toda regra
tem exceção, então, esta regra também tem
exceção e deve haver, perdida por aí, uma
regra absolutamente sem exceção...!”

Millor Fernandes

A proposta deste artigo surgiu através da observação do crescente número de especialistas em educação, educadores e de futuros licenciados não conseguem entender, interpretar pequeno texto após a leitura sobre legislação educacional: Leis, Decretos, MP, LDBEN, Resolução, Indicação, Deliberação, na História da Educação Brasileira.
Nos atos legais (Estatuto, Regimento, Regulamento, Deliberação e Resolução) onde a ordem numérica deve estar expressa, em ordinais e cardinais, deve-se obedecer o disposto na legislação que determina a seguinte distribuição:
Os artigos como desdobramento dos capítulos, seções e subseções devem ser escritos em numerais (ordinais até o 9° e cardinais a partir do 10) e se desdobram em (§) parágrafos seguidos de ordinais (quando se tratar de parágrafo único escrever por extenso) ou em incisos que são apresentados em algarismos romanos;
As seções e subseções em que se subdividem os capítulos devem ser apresentadas por letras maiúsculas;
                                            
Os parágrafos se desdobram em itens (escritos em algarismos arábicos) e em alíneas (escritas em letras minúsculas);
Os incisos se desdobram em itens (algarismos arábicos) ou alíneas (letras minúsculas) ou somente em alíneas.
Os legisladores em todos os níveis nem sempre são bastante felizes. As normas editadas nem sempre são redigidas com a necessária clareza. Daí surgirem, não poucas vezes, interpretações contraditórias sobre o mesmo texto. É bem verdade que as leis propriamente ditas não são muito numerosas, mas os regulamentos, constituídos principalmente de decretos, resoluções, portarias, são abundantes.
Para interpretação correta de um dispositivo legal, devemos nos servir de várias modalidades de análise. Citamos algumas: literal ou gramática, histórica, contextual, sistemática.
A interpretação literal ou gramatical é a modalidade mais usada. O texto é examinado na frieza da letra.
A interpretação histórica busca no instante da produção das normas as justificativas e objetivos apontadas pelo autor do projeto.
A interpretação contextual conduz ao exame e análise da norma, de forma global, buscando a concordância de dispositivos entre si.
A interpretação sistemática procura adequar a norma em causa aos princípios que dão estrutura ao sistema jurídico como um todo.
A boa interpretação deve ser buscada na combinação dos vários meios apontados. A interpretação, por um só aspecto, via de regra, conduz a conclusões defeituosas e errôneas.
                                            
O que nos interessa neste artigo é dar uma contribuição do nosso sistema de normas legais, que venha enriquecer a educação tão carente de pesquisa especializadas nesse importantíssimo ramo dos estudos pedagógicos. O funcionamento da escola, o desenvolvimento do programa educacional, a atuação dos professores ou do especialista de educação estão relacionados e dependentes, em todos os seus aspectos, de normas legais, específicas ou gerais.
No Brasil, essas normas têm hierarquia que vai desde a Constituição Federal até o simples comunicado. Assim, para o desempenho de suas funções, principalmente os especialistas de educação necessitam no mínimo de conhecimentos do suporte da estrutura do sistema. A legislação educacional sempre foi tema de preocupação para diversos segmentos da organização e administração escolar do sistema educacional brasileiro.
Sob os aspectos de organização e administração escolar, a legislação é ainda importante porque traduz a filosofia e a política educacional subjacente a cada país. A lei, entendida como forma normal pela qual o Estado estabelece regras de convivência dotadas de significação imperativa, procura assegurar coesão e equilíbrio de todo o corpo social.
Segundo o senador Álvaro Dias (PV/PR): -“ A legislação não constitui somente fonte de ação, de organização e de administração, pois possui também sentido de instrumentação, isto é, passa a representar recurso prático para a estruturação e a gestão de serviços. Daí a necessidade de os componentes da legislação se constituírem num corpo com unidade lógica, em perfeita coerência, respeitando o princípio da não contradição”.
                                              
A educação formal se realiza através do sistema do ensino cujos componentes principais são: o fato, o valor e a norma. Na sequência lógica, em termos jurídicos, primeiro deve existir o fato, que uma vez generalizado torna-se passível de "normatização", o que se exerce através da legislação. Entretanto, isto não é usual no âmbito da legislação escolar.
Geralmente, ela precede os fatos. Tem-lhe mesmo, uma anterioridade tão grande, que resulta na necessidade de revestir-se de enorme elasticidade ou, quem sabe, "indefinição", para permitir-lhe ajustar-se aos fatos que, espera-se, deverão surgir tal como foram pensados na legislação. Evidentemente, a realidade está aí a demonstrar o contrário. Sob o ponto de vista prático, a legislação, antes de tudo, orienta a ação administrativa, estabelecendo diretrizes gerais de trabalho e definindo os limites sobre o que decidir, determinando fronteiras e o alcance das decisões ou das diretrizes decorrentes da ação administrativa.
Observa-se que, apesar da uniformidade legislativa e da ação legal fiscalizadora da inspeção e supervisão, a padronização das escolas é aparente, pois elas diferem em inúmeros aspectos. Desse modo, a educação passa a ser uma atividade estritamente controlada por leis e regulamentos e os organismos como o Ministério de Educação e Cultura e Secretarias de Educação, reduzem-se a órgãos de registro, fiscalização e controle formal do cumprimento de leis e regulamentos.
Sua função é dizer se a educação é legal ou ilegal, conforme sejam ou não cumpridos os prazos e as formalidades, fazendo com que a legislação passe a ter antes, um caráter punitivo do que reforçador.
Pensar educação.... Não deveria doer....



Entendimentos & Compreensões
Dos diálogos com o Professor Nelson Valente
Professor universitário, jornalista e escritor
Blumenau – SC.
Publicado originalmente no Grupo Kasal –
Konvenios – Vitória – ES – 
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28690
Arquivos da Sala de Protheus!