quarta-feira, 26 de julho de 2017

" O Sentido da Vida...!"

 #PensarNaoDoi


O Sentido da Vida!
                                       

“... O sentido da vida constitui um questionamento 
 filosófico acerca do propósito e significado da 
existência humana. Ela demarca então a 
interpretação do relacionamento entre
o ser humano e seu mundo...!"

P. Tiedemann.


Duvido que um médico possa responder a essa questão em termos genéricos. Isso porque o sentido da vida difere de pessoa para pessoa, de um dia para outro, de uma hora para outra.
É assim que Viktor E. Frankl, psiquiatra e fundador da Logoterapia, muitas vezes chamada de “terceira escola vienense de psicoterapia”. As duas primeiras são a da Psicanálise de Freud e a da Psicologia Individual de Adler.

Este Psiquiatra, PhD da Universidade de Viena e Professor na Universidade Internacional da Califórnia, a famosa UCLA, morreu em 97 e deixou um legado,digamos, diferençado de Freud.

De quebra podemos afirmar que o que Freud conheceu do Nazismo Alemão foi somente teórico... Já Frankl viveu nos campos de extermínio Nazistas.
Mas oque tem uma coisa a ver com a outra?
Simples. 

                                
                       Da teoria constatada a partir de pequenas experiências em laboratórios e seu famoso divã, Freud não conheceu o mundo além disso. Já Viktor não somente viveu, conheceu de perto e ainda foi conferencista e professor convidado em mais de 200 universidades de todo o mundo.
Por isso quando ele se refere ao sentido da vida, o faz em toda a sua profundidade. De quem já sentiu e aprendeu na própria pele... Ou na alma.

Mas o que importa não é o sentido da vida, costumava afirmar Frankl:

Mas, antes o sentido específico da vida de uma pessoa em dado momento. Formular essa questão em termos gerais seria comparável a peguntar a um campeão de xadrez:
“ Diga-me, mestre, qual o melhor lance do mundo?!"
Simplesmente não existe algo como o melhor lance ou um bom lance à parte de uma situação específica num jogo e da personalidade peculiar do adversário. O mesmo é valido para a existência humana. Não se deveria procurar um sentido abstrato da vida. Cada qual tem sua própria vocação ou missão específica na vida; cada um precisa executar uma tarefa concreta, que está a exigir realização. Nisso a pessoa não pode ser substituída, nem pode sua vida ser repetida. Assim, a tarefa de cada um é tão singular como a sua oportunidade específica de levá-la acabo.

                             
Uma vez que cada situação na vida constitui um desafio para a pessoa e lhe apresenta um problema para resolver, pode-se, a rigor, inverter a questão pelo sentido da vida. Em última análise, a pessoa não deveria perguntar qual o sentida da sua vida, mas antes deve reconhecer que é ela que está sendo indagada. Em suma, cada pessoa é questionada pela vida; e ela somente pode responder à vida respondendo por sua própria vida; à vida ela somente pode responder sendo responsável. Assim, quando começou-se afalar em logoterapia (psicoterapia fundamentada na busca de sentido.) iniciou-se, ao mesmo tempo a ver na responsabilidade e essência propriamente dita da existência humana.
Sobe a essência Viktor deixou dito:
“ Viva como se já estivesse vivendo pela segunda vez, e como se na primeira vez você tivesse agido tão errado como está prestes a agir agora...!”
Parece que nada estimula tanto o senso de responsabilidade de uma pessoa como essa máxima.
E você tem vivido segundo o seu sentido de vida?
Pensar não dói... Já descobrir os próprios sentidos....





Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Das observações de:
Em Busca de Sentido
Viktor E. Fran
Editora Vozes – 40 Edição – 2016
Rio de Janeiro – RJ.
Publicado originalmente no Grupo Kasal
Konvenios – Vitória – ES –
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=29055
Arquivos da Sala de Protheus