domingo, 5 de julho de 2015


#ChoraBrasil:

 

“Imagens do Fome Zero!”


“...Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome...!”

 Gandhi

 

 Ligo o televisor. Temos um aparelho, mesmo velho, antiquado. Tento distrair meu organismo que todos os dias imploram por manutenção. Novelas,  filmes, propagandas, jornalismo, fúteis distrações. As imagens são atraentes, meu organismo reclama. Seria eu um glutão ou é mesmo a carência  de alimentos de todos os dias? Nas novelas, mesas cheias de alimentos lindos, coloridos, coisas que nunca vi ou comi. Deve ser deliciosos. Os sucos são atraentes, bem mais coloridos do que os vejo quando passo em frente às lanchonetes.


Propagandas? Tem de tudo. Belos móveis, paredes limpas, tapetes, assentos, enfeites, banheiros lindos, camas confortáveis, quartos do tamanho de onde moro. Veículos brilham, são reluzentes, confortáveis, modernos. Moradias que nunca vi de verdade, com seus jardins bem cuidados, quem sabe com plantas ornamentais até mesmo vindas do exterior? Tudo é belo aos meus olhos. Até mesmo os parques, circos que nunca fui. Muitas luzes, pipocas, churrasquinhos, doces, balas, bebidas... Sorvetes, chocolates, pizzas, frios, guloseimas, churrascos, refrescos. Deito. O estomago reclama. A vontade aumenta. Quero degustar todos aqueles alimentos, o achocolatado quente para dias frios, o refresco para o verão. As saudáveis frutas. Iguarias de banquetes. Tudo é muito delicioso ao paladar dos meus olhos. Comem com vontade nas imagens que vejo. Estaria eu cobiçando tais alimentos? Vou pensando em um peixe assado, frito, cozido. Num assado de tempero agradável. Chocolates, doces, manjares, biscoitos. Qualquer coisa serve para agradar a minha mente que agora deseja ardentemente ter um bom alimento.


Desde criança os mesmos desejos. Não eram vistos pelo televisor, mas sim, por revistas e em certas casas bonitas, com pessoas que usavam calçados novos, limpos. Vestimentas de muito bom gosto. Perfumadas, usavam sabonetes para o banho, cabelos bem tratados. Na hora de dormir a vontade de comer daquele bolo. As horas vão passando. A vontade é incontrolável. Mais um pouco de água. Bebida deliciosa, refrescante! Vem à memória que até a água está ficando escassa. Crise hídrica, muito falatório, reportagens. Assim não pensamos muito no desgoverno vivido, mas sim em economizar água.  As lembranças voltam ao passado. Era muito jovem para chegar à conclusão de que o governo é responsável pela fome do País, dentre outras coisas. Ninguém concordava comigo. Calei-me e fiquei a conversar somente com minhas observações que me eram fieis.


Fieis como agora, que escuta o ronco barulhento das queixas da fome, decidindo não ser mais meu organismo, atraído pelas imagens televisivas, se não as posso ter...

 

Entendimentos & Compreensões

Baseado em fatos reais.

Da memória Lúdica de minha amiga mineira:

 Marilene Marques, Contabilista aposentada.

E ex-professora –

Apaixonada pela Vila do Assaraí  - Minas Gerais