terça-feira, 22 de março de 2016


#SerieCidadania:

  
“Uma Força Chamada LOBÃO!”
-  Rockeiro Cidadão- Iª parte.

“... Me dá vontade de saber
Aonde está você
Me telefona
Me chama, me chama,
me chama ...!”


                                                                                   Lobão – Da musica – Me chama...

Não costumo escrever sobre artistas ou as ditas celebridades. Na minha formação nunca tive, absolutamente, nada de paparazzi (palavra italiana que se refere ao mosquito que fica em volta da pessoa provocando aborrecimento. Passou a significar, também, como sinônimo do jornalista/fotógrafo insistente que persegue celebridades para tirar fotos de preferência indiscretas ou comprometedoras).
Porem como em epígrafe, vamos falar um pouco do Cantor, compositor e, agora mais do que nunca um ícone de cidadania e “guerreiro” por um Brasil melhor.
Lobão em sua primeira fase:
Lobão é o nome artístico escolhido pelo carioca João Luiz Woerdenbag Filho, (sim, origem judaica, antes que algum preconceituoso pergunte) para colocar para fora de seu coração o cantor que já existia desde os tempos de menino.


Mas foi na década de 80 que tive o privilégio, dirigindo uma emissora de FM, do grupo RBS, e atuando em uma das Emissoras de TV do Grupo (nos bons tempos da globinho, gaúcha), de conhecer, ver seu show pela primeira vez e o principal: Conversar com este rockeiro, maluco beleza (pegando emprestado de Raul Seixas a designação).
Magrão, carudo, completamente despojado, mas com um sorrisão farto que lhe vinha da alma sempre. Se discordasse dele, ele ria. Se concordasse ele ria também. Não tinha ainda manifestado nenhuma “veia politizadora”, mesmo que à época, recém-saído do Governo Militar no Brasil, não estava “misturado” com os demais cantores que tinham voz contrária ao movimento que salvou o Brasil do Comunismo nos anos 60, e que, hoje todos sabem, encheram seus bolsos de dinheiro com a atual “ditadura comunista”, ainda vigente no Brasil.
Suas músicas estouraram durante toda a década.
Segunda fase de Lobão:
Quase desaparecido por mais de uma década, exceto em locais muito privilegiados de sua presença.
Artisticamente quase caiu no esquecimento.
Motivo? Hoje todos sabem: Lobão não tinha preço. Lobão tinha e tem Valores arraigados, mesmo com todos os problemas vivenciados com seu pai.


Por carregar culpas indefiníveis pela morte de sua mãe, Lobão não se perde no tempo. Apenas utiliza o tempo para se encontrar e mostrar um lado melhor daquele garotão da escola, guloso, devorador de tudo o que encontrava pela frente, tal qual a um mendigo faminto. Daí seu “apelido” de Lobão. E por andar o tempo todo com um macacão de uma alça só. Eis o despojamento da alma deste rockeiro guerreiro, que o Brasil precisou de mais de 30 anos para conhecer sua personalidade e espírito que hoje representa a classe artística pura do Brasil;
Ele traz até hoje e agora todos parecem conhecer.
Terceira fase de Lobão:
O homem Lobão, o pai, o marido, o cantor, compositor, rockeiro (estrangeirização que não temos como utilizar uma acepção em nossa língua), e artista multi-instrumentista reaparecem aos poucos como o cidadão indignado com a “politicalha” (termo que ele utiliza – Veja na segunda edição desta crônica o Dicionário Lobístico).
Utiliza as redes sociais e antes do governo Dilma/PT se mostra fervoroso opositor do chamado “desgoverno” Brasilês.


Começa a fazer Hang Out (literalmente lugar frequentado, ponto de reunião ou de encontro nas redes sociais), com Olavo de Carvalho, escritor e filosofo autodidata hoje residindo entre os Estados Unidos e o Canadá e também um fervoroso guerreiro da atual “ditadura comunista”.
No começo, ninguém ligava:
Diziam que Lobão estava "se aproveitando de Olavo de Carvalho", para retomar sua carreira; que de tanta “cocaína” seu cérebro já não funcionava; que estava desesperado, falido e era a única forma de retomar o que já teve na década de 80, e uma lista interminável de pseudos atribuições da “imprensa” que todos já conhecemos hoje e a tentativa de um abalo de sua reputação. Certamente depois da segunda Edição de Assassinatos de Reputação, seu amigo particular Tuma Jr., terá material, suficiente, de Lobão para ter uma terceira obra: Assassinato Artístico Moral.


As definições para Lobão nas redes sociais eram as piores possíveis
Ele não se abalou... Fez ouvido de mercador (aqui, impressão minha:)                
                             Não faço a mínima ideia da força deste homem público, para enfrentar tudo isso e continuar com garra o que hoje, todos sabem, acabou conquistando, sua luta interminável, a busca incansável por algo que, enquanto ninguém sabia, Lobão tinha certeza: Este não era o Brasil que ele conhecera. Lobão queria de volta seu verdadeiro Brasil. Aquela que lhe deu força quando sua família praticamente não existia. Ele agora tinha uma família para lutar. O nome desta família era Brasil.
Seguir Lobão nas ditas “redes sociais” era motivo de escárnio. Mas exclusivamente para quem não tinha argumentos e não conhecia Lobão.
Afinal “sem cérebros” pagos para digitar bobagens, hoje sabemos o partidinho de bandidos, ainda no poder em nosso País, tinha aos montes. Mas gente com cérebro, alma e iluminação sabia o que fazia.
Assim estes grandes seres e cito aqui uma das mentes mais respeitados da rede social mundial Twitter, a paulista e paulistana Marisa Cruz, seguiam e continuavam a dar força a Lobão. 
Quem não sabia, mas tinha cérebro, ficava pensando. O resto... Bem é resto.
Aos poucos tudo o que Lobão já tinha falado, começava a se tornar realidade.


Bons profissionais a quem tenho o privilégio de chamar de colega como Joice Hasselmann, ex-revista Veja e hoje uma mulher e profissional com opinião respeitadíssima internacionalmente, começaram a estarem perto de Lobão.
Gente como a também amiga intima Valéria Gondim, de Fortaleza, Tuma Jr., estão, o máximo possíveis juntos, em encontros, refeições com Lobão.
Agora fica uma pergunta: Gente tão séria e de moral tão ilibada estariam com Lobão, se não fosse este, o grande Brasilês que hoje todos estão conhecendo?
Não! Certamente que não.
Assim este grande homem, em altura também, foi passando de obstáculo por obstáculo, barreiras, precipícios, quase todos criados para segurá-lo, como se soubessem que por trás daquela figura estava um grande homem Brasilês.
Assim vieram os movimentos nas ruas e os raivosos invejosos continuavam com suas irãs e seus venenos linguísticos:
- Lobão está indo as ruas param se promover; 
- Lobão está morto e esta indo na carona dos movimentos das ruas.


E assim por diante. Um argumento pior que o outro. Todos produzidos por algum comunistinha “sem cérebro” (termo usual dele) ou “paus molengas”, atribuídos aos petralhas, para assassinar, literalmente, não somente a reputação, como a moral e o próprio homem Lobão.
Não conseguiram.
Hoje este sexagenário homem com sua barba branca mostra a leveza da sabedoria, conquistado através de suas cicatrizes na alma, no coração e na pele. E faz questão de mostrar.
No ultimo encontro de amigos virtuais com a grande jornalista Joyce e o Olavo, podíamos ver um Lobão, com muitos amigos atrás de sua webcam (câmera do computador) lhe amparando tal qual anjos segurando-lhes às costas como proteção.
Agora, assim como muitas outras coisas, o Brasil e é referência no mundo, Lobão é um cidadão consciente de sua missão, hombridade, cidadania, luta por um país em que o povo seja bem tratado... E os adjetivos a estas ações empregadas por Lobão, encheriam páginas...
E o que ele ganhou com tudo isso?


Paz de espirito... Certeza do dever cumprido... Orgulho de filhos, mas principalmente orgulho de todos os brasileses que aprenderam, com suas músicas, com sua linguagem às vezes “feroz”, e com a bondade que sempre se dirige a todos, exceto a gentalha comunista, quase perceptível de luminosidade superior.
Sempre estive ao lado e o defendi. Arrumei alguns “inimigos”... Nada de importante para se preocupar... Mas arrumei mais amigos ainda com consciência do que se deve ser e ter para um Brasilês honrado e guerreiro.
Hoje Lobão, o cidadão e, é claro, o rockeiro respeitado, leva no peso dos ombros de seu espírito o sofrimento de não ter sido compreendido há muito tempo,
Reservei uma crônica para mostrar toda sua criatividade e praticamente um “dicionário lobístico” de todos os termos que ele utiliza no dia a dia.
Mas isto é para outro encontro...
Isto precisa ter um espaço exclusivo...
Com Lobão junto, é claro...
Pois, assim como para mim e, certamente para Lobão...
Pensar não dói...


 

Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Fontes:
Minhas vivências e pesquisas e se quiserem saber mais:
Dados de Lobão estão à disposição no Wikipédia
Publicação original em:
www.konvenios.com.br/info/Artigos.aspx?codAutor=117
Arquivos especiais da Sala de Protheus
www.epensarnaodoi.blogspot.com.br