sexta-feira, 8 de maio de 2015


#AosPredadores:




“Complô Sentimental!

https://lh3.googleusercontent.com/-bKF1i3X3-m4/VU0OtSj5h_I/AAAAAAAADAg/7A99Sb9Pl6I/h120/a%2Bbea%2B1.jpg

"...Na vingança e no amor a mulher

é mais bárbara do que o homem...!"

 

Nietzsche

                  “Eu quero saber é como você está”, interrompe minha tia o meu discurso inflamado sobre a situação nacional, com sua voz nordestina. “Como disse, tia Lu?”

                              “É isso mesmo, quero saber quando é que você vai arranjar um namorado decente e sossegar o facho”, esclarece ela, pondo fim às minhas reclamações políticas.

                              “Nunca – oba, pergunta fácil -, ora essa! Esqueceu que eu tenho o dedo podre? É só olhar a minha vida pregressa para constatar que sou um desastre no quesito amoroso. Para escolher, então, é tiro e queda. Em havendo dois pretendentes, fico uns quatro meses indecisa e acabo sempre escolhendo o pior. Não, obrigada, fechei para balanço. Nessa encarnação não namoro mais ninguém”.

                              “Bom, isso lá é verdade”, concede ela, “você é um horror mesmo” - agora acho que fui insultada - “e sempre ficou bem sozinha, não sente falta, é independente”...

                              Graças a Deus o assunto morreu, mas deve ser uma epidemia ainda não detectada, pior do que a dengue. Nos últimos tempos todo mundo que conheço deu para me fazer a mesmíssima pergunta! Eu sei que o Botox prorrogou a juventude, que as recentes conquistas da cirurgia plástica deixaram todo mundo com cara de adolescente, mas, por favor, olha o respeito! Sou uma avó, uma senhora de 57 anos, dá para me deixar ficar sozinha em paz? Que coisa horrível.

                                Há quatro dias foi a vez de Florência, uma amiga querida. Inteligente, com uma gargalhada contagiante e olhos fabulosos de mormaço, Flô é de uma família tradicional carioca. Menos de dois anos mais nova do que eu, ela namora um médico aposentado que, segundo a própria, não dá para apresentar à família ou aos amigos.

                               Dois minutos de conversa e lá vem ela: “Pois é, filha, a verdade é que, na nossa idade, se a gente fica sozinha parece que está faltando um pedaço, não acha?”

https://lh3.googleusercontent.com/-zhLZaH1XQtE/VU0Q65ZOKYI/AAAAAAAADAw/aEYyrjidKd8/h120/a%2Bbea%2B2.jpg

                              “Não acho nada”. Depois do Verme Indeciso, estou convencida: “melhor sozinha que mal acompanhada”. “Eu, embora o meu médico esteja definitivamente na categoria “mal acompanhada”, não estou pronta para abrir mão dele”, entrega Flô: para em seguida pedir socorro.

"Vai viajar com o namorado e não sabe como avisar a mãe, já que o coitado é ignorado por todos há quase um ano".

                                  Sugiro que ela simplesmente avise que vai viajar e, se vier mais alguma pergunta, responda: “Confie em mim, você não vai querer saber”, ou, “Nesses tempos bicudos, basta saber que ele nunca apareceu nas páginas policiais” ou, ainda, “Juro por você mortinha que não é empreiteiro”. Depois desligo, mais uma vez agradecendo à minha sensatez por me livrar de semelhante mico.

                                 Definitivamente não quero estar com um homem para não ficar sozinha e me irrita um bocado a quantidade de marmanjos que parece acreditar exatamente no contrário, principalmente nas redes sociais. Basta você criar uma página e colocar uma foto para que comecem a pensar; “oba, lá está mais uma carente prontinha para cair na minha cantada”.

https://lh3.googleusercontent.com/-Bd0C32biEnA/VU0SNXbKwqI/AAAAAAAADA8/P9G0jN_thp8/h120/a%2Bbea%2B3.jpg

                                Não! Tenho mais o que fazer. Por favor, não confundam afabilidade com disponibilidade. Já li coisas inacreditáveis, tantas que, como não quero namorar ninguém, mas tenho dois filhos homens e sou amiga do gênero masculino, decidi ajudar.

                                      Pequeno guia do que você não deve dizer, caso esteja interessado em uma mulher de meia-idade:

1 – Cantada Neanderthal – “Como assim, você está sozinha? Isso é um absurdo, nada se compara a acordar abraçada por um braço peludo!”

Obs.: Se vier acompanhado de um peito estufado é block na certa, a não ser que ela esteja realmente desesperada, ou seja, antropóloga.

2 – Cantada Feirante –“Nossa, vi a sua foto e achei você muiiiiiito interessante, do jeitinho que eu gosto, madura...”

https://lh3.googleusercontent.com/-9SBN-SPI4yg/VU0SucBZjzI/AAAAAAAADBM/TXd-ISUYTPY/h120/a%2Bbea%2B4.jpg

Obs.: A não ser que você esteja de olho em uma abóbora, suas chances de levar um block aumentaram consideravelmente.

3 – Cantada Oficina –“Espero que você não fique ofendida, mas olhando sua foto do perfil, não pude deixar de notar que você ainda é muito bonita, parece se cuidar, é bem conservada.”

Obs.: Amigo, você continua vivo porque existem quilômetros entre os dois! Seu ex-alvo não é um carro para ser “conservado” e o “ainda” foi sua sentença de morte. Ela sabe que está na meia-idade, você não precisa enfatizar isso. Tire o calendário da Pirelli da parede e desista.

https://lh3.googleusercontent.com/-V5ffNMepDiw/VU0TJhdjpZI/AAAAAAAADBU/0404Q7KWUmY/h120/a%2Bbea%2B5.jpg

4 – Paquerador Sem Noção –“Oi, gata, adoro os seus posts! Apoxxxxxto que você é carioca, que coincidência, eu também. Tá trabalhando?”

Vítima –“Hum, hum.”

PSN –“Já sou aposentado, hehehe, mas não vou atrapalhar você, passei só para dizer que te acho muito linda e também escrevo. Estou escrevendo e olhando para a sua foto, pensando no mar, na profundeza da vida e nas torturas da alma solitária...”

Vítima –“Hum,hum?...”

                                         A essa altura, desesperada, resolvi dar uma olhada no perfil do PSN e dei de cara com uma mulher de 20 anos na capa, deslumbrantemente pelada!

https://lh3.googleusercontent.com/-Ap4HVkqqVw8/VU0TiB0oD5I/AAAAAAAADBc/Hcx8Paiuscw/h120/a%2Bbea%2B7.jpg

                                          Senhores, atenção, isso é o mínimo. Se estiverem interessados em uma mulher de meia-idade não postem foto de ninfetas no perfil, olhem a compostura. Foco, por favor!

 

Das Vivências & "Sofrências”

De Beatriz Ramos –

Cronista –

Brasília – DF -