terça-feira, 4 de agosto de 2015


#AlegoriasDeVidas:

 

O Barco e o Porto...!


“...Um navio no porto é seguro, mas não é
 para isso que os navios foram feitos...!”
William Shedd

 

Era um porto sem muito luxo. Quando o construtor começou a fazer um porto naquele local, ninguém acreditava que um dia poderia ser um porto seguro. Pedras perigosas, correntezas e ondas furiosas.
Mas, o construtor insistiu, e com o tempo foi construindo passo a passo o porto. Nas pedras ergueu um farol que nas noites chuvosas, nubladas, avisava do perigo e também que havia lugar seguro para aportar.
Nas pedras, duras, escarpadas, com o tempo nasceram flores que só nascem entre pedras, finas, delicadas, ao mesmo tempo fortes e desafiantes. E tudo era paz.
Barcos, veleiros, navios, podiam aportar ou fundear na baía do porto e ficar em segurança. Um navio aportara no porto, ali já estava a muito tempo, encontrara ali sua segurança e não havia porque singrar os mares. Mares que singrara em perigos, tempestades. Quando chegara no porto precisou de muitos reparos. O porto fez tudo.
A presença do navio também fez o porto se aperfeiçoar, fortaleceu seu farol, as suas fundações, controlou melhor as correntezas e quase não haviam ondas revoltas batendo nas pedras, agora coberta de flores teimosas.
Um dia vindo de longe o porto avistou um barco, parecia bastante fustigado da viagem, fundeou na baía, mas, não aportou. O porto ficou a observar. Sim, como precisava de cuidados aquele barco. Aos poucos o barco se aproximou, devagar, relutante, receoso....
O porto via a aproximação a princípio mais um barco como tantos que precisavam de pouso, repouso e cuidados.
Então surpreendidos, barco e porto descobriram algo aterrador. Para o barco havia um lugar para ancorar, um lugar que era somente dele e de mais ninguém, feito a sua medida, perfeita medida. O porto descobriu que todas as obras feitas nele haviam sido para abrigar aquele barco.
A paz deixou o porto. Correntezas antigas começaram a reaparecer, as ondas batiam confusas nas pedras, onde estranhamente novas flores nasciam, cheias de delicadezas. O farol estranhamente fortaleceu sua luz. Lugares onde não haviam mais flores, mortas pelo tempo vira brotar novas espécies.
Mas, a paz abandonou o porto. Ele aterrorizado em descobrir que aquele navio era o navio para quem ele havia sido feito recusava-se a aceitar. Já ancorara um navio, há tanto tempo, como poderia isso agora?

 

O barco apavorado em descobrir seu porto seguro, construído para si, recusava-se a ancorar e bateu em retirada rumo a baía onde fundeado ficava perto e longe, e podia vislumbrar outro porto, de onde havia se desprendido na tempestade e queria voltar e nele sim ancorar.
Eis o dilema do porto e do barco. Feitos um para o outro através dos tempos pelo construtor, há lugar para ancorar, mas, um navio ali já está. E tudo o que o porto quer é que o barco ancore.
O barco diz não querer ancorar porque seu porto seguro mesmo é de onde ele se desprendeu e para onde voltará.
O porto aceitou. O que há para fazer? O barco volta ao seu antigo porto. O porto ancora seu navio de tantos anos.
O porto está triste. A correnteza parou, e ondas já não batem. As flores teimosas floresceram mais teimosamente ainda e o farol se iluminou mais. Acho que o porto quer esconder o lugar vazio.
O barco, não sei… O que será que se passa no barco ao voltar para o porto que se desprendeu? Ele tem medos e receios. Isso eu sei. Mas, me pergunto: depois de ter visto o porto onde é o seu lugar achará o barco lugar?


Agora que sabe que o barco para quem foi construído como vivera o porto com esse vazio.
Então, cada um do seu jeito inventou uma mentira para se proteger e não correr o risco de que a correnteza, maior que eles, os façam ancorar e ser ancoradouro. O porto mentiu e disse que o navio que ali ancorado estava era seu tudo, afinal, se ele era aquele porto, só o era, porque o navio ancorara ali e não tinha lugar para ir.
O barco então disse que se não houvesse o porto do qual se desprendera na tempestade, era ali que ficaria para sempre. Mas, havia o porto e ele voltaria para lá, porque nele havia achado o seu lugar, todo abrigo e proteção. E ele voltou.
E o porto ficou.
E eles mentiram um para o outro e mentiram para si. Porque cada dia que se passavam eles era ancora e ancoradouro. E cada vez que ficavam longe, mais sabiam que eram. E para não enfrentar a verdade escondiam-se atrás do navio ancorado e do antigo porto deixado. Era mais fácil.
Mentiram tanto que acreditaram na mentira. Até quando? Não se sabe. O porto se conformou, seguiu fazendo o que sempre fez. Triste, mas, continuou. O lugar do barco continua lá... Ali é o seu lugar.
O barco refaz sua viagem, espera e conseguira ancorar em seu antigo porto. E pensa: será feliz!
Mas depois de ter achado o seu ancoradouro poderá o barco achar outro lugar? Depois de ter preenchido o lugar com o barco que ali deveria estar, poderá o porto outro abrigar?
Dilema... Pensa o porto que levará para a vida toda aquele lugar vazio. Sobre o que pensa o barco o porto não sabe... Talvez daqui há algum tempo nunca mais se lembre daquele porto que o abrigou após a tempestade.
As vezes o porto inventa uma mentira para si e acredita que tem mais significado do que o porto anterior, mas, ele sabe que não tem… Lá no fundo ele sabe. Por isso ele silenciou.
O barco retorna e será feliz, seguro, ancorado, amparado, como sempre quis do porto que se desprendeu. Sempre lembrará com carinho do porto passageiro. Só nunca poderá lhe retribuir o amor que ele lhe ofereceu.

 

Entendimentos& Compreensões de
Candida Maria Ferreira da Silva
Assistente Social, Teóloga, Especialista em
Infância e Violência Domestica pela USP.
 - Rio de Janeiro – RJ -
Candida é autora do Diário
blogcontosrecontos.blogspot.com.br