segunda-feira, 10 de novembro de 2014

#PensarNaoDoi:

“Precisamos de um Retrato Novo!”
- Os Nossos Falsos Heróis -
“... O Brasil não possui projeto de nação.
Será sempre usado pelos políticos e
coadjuvante na geopolítica mundial...!”
Dos pensamentos do Sergio Pamboukian – SP –

                               Nestes tempos em que precisamos pensar, realmente, que Brasil queremos, ou ainda, como dizem alguns “recuperarmos” o que já tivemos.
Fica uma interrogação: Tivemos mesmo? Ou fomos subliminarmente enganados?
Será que estamos ou, ao longo da ultima década, tivemos realmente consciência de que precisamos dar manutenção a uma grande nação que herdamos de nossos antepassados?
                               Mesmo ainda um tanto quanto incultos, perante grandes nações mundiais, temos chance de chegarmos próximo do que eles chegaram, ou nem sempre nos deleitaremos neste “berço esplendido” ao qual, parece, ainda estamos deitados tão preguiçosa e ternamente confortáveis?
                               Estes questionamentos são rotineiros, diários nas redes sociais, a nova forma de sociedade dita “organizada” em tempos de ausência de uma Imprensa séria e tão necessária.
Mas quais “respostas” estão sendo dadas aos jovens?
Que exemplos estão sendo deixados para as futuras gerações?
Será que fomos transformados, uma geração inteira, em idiotizados, incultos e seres em que em sua maioria pensar “deve doer”?
                           Um amigo de uma destas redes ditas “sociais” deixou escrito certo dia:
(...) “Culpamos os políticos e nos esquecemos de que fomos nós que os colocamos no poder. Que droga... (substitui o adjetivo por respeito ao leitor) Agora tente Tirar para ver se você consegue?”.
                         Este questionamento feito primeiramente à própria consciência e depois urrado para que todos pudessem fazer o mesmo foi à maneira que o amigo Nilton Aprígio fez.
                         No mesmo dia recebi um poema chamado Sobre Falsos Heróis, de José Fighera Salgado. Nele o poeta deixou registrado.

Que heróis são esses que ergueram massas
Pregando o fim de alheias propriedades?
Tramando golpes com base em mentiras
Ideologias de falsa igualdade.
Que heróis fajutos, que com mil falácias
Organizaram hordas de iludidos
Disseminando ódio entre as classes
Com seus conceitos falsos e falidos.


Que heróis de Araque que até hoje guiam
Servos que travam inúteis contendas
E assim militam por ruas e becos
E cortam cercas pra invadir fazendas
Que heróis bandidos que pregaram roubo
E caridade com dinheiro alheio
Mas cujos bolsos de seus seguidores
Não se abstende a se manterem cheios

Legado tosco o destes heróis
Que greves tolas vão influenciando
Pelas escolas, poluindo livros
Nas faculdades, mitos se tornando.
E os seguidores dos heróis de barro
Que alcançando pleno poder
Confiscam armas do povo que, assim
Nem mais a vida pode defender.


Sagas macabras as destes heróis
Cujos ideais, pátrias degeneram D
estroem jovens, corrompendo mentes
Com utopias que nunca prosperam.
São cultuados em todas as partes Cidades,
campus e universidades
E assim, aos poucos, seus servis soldados
Calam as vozes que falam verdades.


Triste destino o dos que lutaram
Nas intentonas dos heróis falsários
Fortalecendo o perigo vermelho
Feito de ódio e rancor proletário.
Pobre cabeça que acata as ideias
De um falso herói mal-intencionado
Pobre do homem, que iludido entrega
Sua devoção aos heróis errados.


Pode pensar... Não dói!

 

                                                                                         Entendimentos & Compreensões
Registros de Leituras que devem ser lembradas.