domingo, 24 de janeiro de 2016


Alienação - Tempos Modernos!

"...O pior dos males para qualquer país
é a alienação das grandes massas pelo planejado passivo do desenvolvimento
 da capacidade de perceber e compreender...!"

                                                                                                                     Kooppe

Quem nunca assistiu ao filme "Tempos Modernos" de Charles Chaplin? Este filme mostrava explicitamente o trabalho em sua forma de alienação. O indivíduo trabalhava em uma fábrica de peças e fazia sempre a mesma coisa: apertava roscas. Mas não sabia para quê? Qual era a finalidade daquilo? Ele era um escravo do trabalho. Não havia uma finalidade para o que fazia, a não ser receber o salário no final do mês. Logicamente o exemplo é de um filme, que não foge à realidade dos dias atuais.
A alienação afeta milhões de trabalhadores nas sociedades capitalistas, onde a produção econômica transformou-se no objetivo do homem, em vez de o ser o homem o objetivo da produção. Esse processo acentuou-se no século XIX, quando o trabalho na maioria das indústrias começou a tornar-se cada vez mais rotineiro.


 Como exemplifica Adam Smith (1723-1790), na fabricação de alfinetes, um operário puxava o arame, outro o endireitava, um terceiro o cortava, um quarto afiava, um quinto o esmerilava na outra extremidade para a colocação da cabeça, um sexto colocava a cabeça e um sétimo dava o polimento final.
Os novos métodos trouxeram como principal consequência de que a fragmentação do trabalho conduz a uma também fragmentação do saber, pois o trabalhador perde a noção do processo produtivo, não conhecendo o resultado de seu trabalho. A desgastante situação de rotina e insatisfação acaba com o envolvimento afetivo e intelectual que o trabalhador teria com seu trabalho e colegas, e essa relação vai se tornando fria, monótona, apática e até tristonha.
Seja na indústria ou em qualquer outro ramo trabalhista, o ser humano não desfruta dos benefícios amplos da satisfação do seu trabalho. Ele afasta de sua real natureza, torna-se estranho a si mesmo, pois os objetos, trabalho que produz passam a adquirir existência independente do seu poder e seus interesses. Encontrando-se alienado do produto final de seu trabalho, o indivíduo, vai ficando despersonalizado e alienando, sem conhecer o princípio, o meio e o fim de sua produtividade.
Capaz de ameaçar o trabalho e a consciência humana desde seus primórdios, a alienação afeta principalmente o homem do mundo moderno, em que as relações sociais.
 
Todo e qualquer trabalho alienado é a condição psicossociologica de perda de identidade individual ou coletiva da falta de autonomia do que executa e passa a sofrer de um sentimento de privação de algo que lhe é próprio, que lhe dá prazer em realizar. Não há dinâmica, aprimoramento em sua função.
Em psicologia e psiquiatria, fala-se de alienação para designar o estado mental da pessoa cuja ligação com o mundo circundante está enfraquecida. Em antropologia, a alienação é o estado de um povo forçado a abandonar seus valores culturais para assumir os do colonizador. Em filosofia política, fala-se de alienação para designar a condição do trabalhador que, à semelhança de uma peça de engrenagem, integra a estrutura de uma unidade de produção sem ter nenhum poder de decisão.
 

Nada mais nos dá tamanha visão de inutilidade quando realizamos aquilo que não nos satisfaz. Este tipo de trabalho rompe a ligação entre o homem e a sua atividade vital. Não é capaz de ter prazer sequer de olhar para trás ou de vislumbrar o gosto de mencionar onde trabalha e qual a sua função.
Todos os trabalhadores que exerce este tipo de trabalho declaram em coro que não há prazer ao ter que acordar e se dirigir ao local de trabalho. Não possuem vontade de sequer passar perto de onde trabalha em dias de folga. E, até mesmo depois de não mais estar ali trabalhando, não gostam de passar pelos mesmos caminhos; tem pesadelos, sofrem com as lembranças, sente estranho mal estar, tremores, a musculatura é contraída, aquecimento facial, vontade de chorar dentre outros sintomas, caso não tenha passado por um tratamento definitivo.
Enfim, o trabalho alienado existe e veio para ficar, tanto é que divãs de consultórios estão sempre lotados!


  

Marilene Marques, mineira, Aposentada
Trabalhando com Voluntariado Social
Região do Vale do Aço - MG
Fontes:
Trabalhando Com A Inteligência Emocional - Goleman, Daniel
Inteligência Emocional no Trabalho- D. Weisinger, Hendrie


Obs.:
Todas as obras publicadas na Sala de Protheus
São de inteira responsabilidade de seus autores.
O Editor!