domingo, 17 de março de 2013

" #SOSEducação! - Siga O Mestre!"


                                     



Siga o Mestre!"


"Se a vida tem um significado mais alto e
mais amplo,que valor tem a nossa educação se
nunca descobrimos esse significado?

Krishanamurti



                            Em quase todas graduações e fora delas, há uma tendência “tecnicista” na aprendizagem e na “ensinagem”. O modelo do "faça assim". Na maioria das graduações os formandos recebem informações superficiais e desvinculadas de práticas funcionais, reflexivas e científicas.




                           O sujeito não é construtor do seu conhecimento. Com a réplica do conhecimento do outro, do “ouvi dizer que fazendo assim dá certo”, os educadores e ou aspirantes, constroem, exercem e ou exercerão a sua prática. A prática já nasce patológica, contaminada desde o berço, sugerindo passos e técnicas de um fazer “bem redondinho”. Siga o mestre! E não pense com o cerébro direito e muito menos com o esquerdo. Faça. Siga o modelo!



                         É um círculo vicioso. E ausente de reflexões. São poucas as faculdades e ou universidades que oportunizam uma construção profunda sobre os saberes. E mais raras ainda, as que levam os seus alunos a serem pesquisadores do seus conhecimentos. Tenho pesquisado algumas grades dos cursos que formam educadores, em sua maioria apresentam uma proposta e uma prática "tecnicista".



                      A formação dos educadores pede socorro. Hoje é imprescindível que ( re) avalie as grades curriculares dos cursos que os formam e suas práticas. Penso sem muita certeza de que, os conteúdos não contemplam um aprofundamento dos saberes. Permeiam a supreficialidade e os equívocos acontecem. Krishanamurti, em 1987 escreveu que “antes do pensar”, temos que ensinar o “como pensar”. 


                   Falta na formação dos educadores esse refinamento. A formação tecnicista os impedem que respondam com uma prática compreensiva e agem sem reflexão. Como se fosse possível editar o conhecimento em série, e conseguem. Infelizmente! Fazendo eu, uso da gramática visual, o filme “Tempos Modernos”, retrata sem muita dificuldade a situação já comentada.


                 No filme, Chaplin simplesmente tem que apertar os parafusos, a coisa é mecânica. Desprovido de qualquer pensar. Krishanamurti também escreveu:





“O que atualmente chamamos de educação é

um processo que concentrará em acúmulos de informações."
                   Ainda hoje, em 2013 continuamos a praticar e a pensar em educação como um molde. Ou seria a não pensar Educação? Copiar? Moldar? Com este modelo tão arcaico só poderemos ter em nossas escolas, métodos e alunos superficiais. Aliás, os métodos também são os culpados. Eles não funcionam adequadamente. Espere, mas eles se aplicam sozinhos? Tem vida própria? Acho que não. O modismo é quem tem vida e longa. E a contaminação continua. "Façamos assim, pois todos agora estão fazendo".

Percebo que os educadores trabalhavam como se a educação fosse uma gigantesca "xerocopiadora". Apertam o botão e vão copiando todo o conhecimento. O pior é que entregam os conhecimentos clonados e ausentes de qualquer construção aos alunos. Os mesmos os devolvem da mesma forma, com conhecimentos clonados. Mas aí, todos ficam indignados com os resultados no final de cada ano! Gastam "zilhões" discutindo e criando estratégias para melhorar as formas de avaliar o aluno.
O aluno? Sim. Exatamente. Ele quem não sabe pensar...

Ao professor foi dada a missão de medir e reproduzir e ao aluno?  Acho que de contribuir com os resultados. Mais ainda, ser o resultado! Consequência não? Não! Resultado com direito a nome e estatísticas.


Testes de toda a natureza e reuniões pedagógicas para descobrirem a causa de tanto "fracasso". Sem contar com a "patogenização" do aluno. Tudo é Transtorno de Aprendizagem. Então vamos encaminhar? Sempre. Não temos molde ou modelo para o enfretamento. E usamos a frase clássica, este assunto não compete ao professor. Prossigamos. "Cego é aquele que tem olho, mas não quer ver”.


A formação de nossos educadores anda exatamente assim. Os educadores responsáveis por esta formação necessitam de um (re) pensar quanto à formação dos mesmos. Urgentemente e continuamente! Se quisermos uma educação funcional, reflexiva e pensante teremos que investir em gente. Competente é gente e não modelos. O investimento terá que ser no material humano, oportunizando conhecimentos profundos e estruturando os saberes do educador na raiz de sua formação. E não na superficialidade! Tomando o

Ensino Fundamental como uns dos muitos exemplos, o professor trabalha com a língua escrita, mas não a compreende. Alfabetiza? Acho que segue modelos do "faça assim", mas não lhe é oportunizado identificar com propriedade as construções dos saberes.


Hoje grande parte dos educadores compreende que Alfabetizar é equivocadamente identificar as fases da escrita. Parece que isto basta. E tem bastado. Tem esperado que alguém lhe desse a receita. Não há problema algum em compartilhar e trocar saberes. Mas o educador na maioria das vezes não troca, fica esperando a conclusão do "outro". Dê a César o que é de César!


E dê ao professor a dignidade de opinar com clareza sobre os seus saberes e mais ainda, compreender a sua prática com cientificidade e não com fases, moldes ou modelos.


Andréa Weffort - Psicopedagoga Clínica e Educacional,
Coaching Educacional, Fonoaudióloga Clínica e Educacional, Administradora Educacional, Orientadora Educacional,
Educação Especial e Assessora Educacional do Colégio
Adventista de Campo Mourão, Palestras e  Capacitações sobre Educação.
De meus arquivos pessoais
Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada