sábado, 7 de maio de 2016


Mulher... Mãe!

“... Mãe, que a beleza das flores, a 
doçura  do mel e o brilho das estrelas 
envolvam você e que você 
continue 
irradiando este amor  
e esta alegria  
que você sempre ofereceu...!”.


A cada dia amo mais esta mulher que agora não só a conheço pelo o seu cheiro, pelo seu tato, pela sua voz, mas também pelo nome.
É ela quem me mostra o mundo.
Necessito desta mulher e não vivo em paz sem o seu amor.
Sinto a sua ausência!
Aonde vou penso nela e a quero comigo.
Assim, meus dias avançam, em direções que bifurcam, mas ela sempre está comigo.Ela é virtuosa!
O seu valor transpõe ao quilate do mais puro ouro, da mais preciosa, fina e rara joia de todos os tempos.
Ela é doce quando se dirige a palavra aos meus ouvidos.
Acolhe-me em seus confortantes e amáveis braços, com carinho, beijos e cuidados.Esguia, aparentemente frágil, um cheiro inconfundível.
Ela é linda!


Seus olhos procuram sempre os meus e eu os dela.
Conheço seus passos e ela os meus.
Sua voz ressoa de longe como a mais bela canção.
Ela chega perto e me cheira. Seus cabelos aquecem-me.
Ameniza a minha alma, ensina-me o caminho da retidão.
Sabe cuidar dos meus passos, inculcando a sabedoria na minha mente.
Ela só quer o meu bem.
Seu amor é o que mais se aproxima do amor ágape.
Encanto-me cada vez mais com as suas virtudes e aprendo com ela.
Esta mulher cheira, beija meus pés.
Beija e conhece cada marquinha do meu corpo, sabendo detalhar cada uma. Não dorme sem antes trazer-me todo o seu conforto.
Zela pelo meu sono!
Só ela é capaz de sentir o aroma das minhas roupas, mesmo estando sujas e se delicia ao aspira-lo.
Por onde passa fala em mim.
Compartilha minhas descobertas. Sofre quando estou prostrada.
Sabe tudo que eu preciso. Nosso amor não se define com simples palavras. Em seus ombros está a força que fortalece os seus braços, que acolhe o meu corpo.
Estuda, se preocupa com o bem-estar do nosso lar. Não despreza minhas queixas.
Naturalmente é elegante em suas ações e andar altaneiro.
Caminha ereta e sabe que o bater de leite produz manteiga e o açular a ira produz contendas.
Por esta razão, ainda que produza rompimento de vasos sanguíneos, torce o nariz, para não se acometer em intrigas.
A força e a dignidade são as suas vestimentas requintadas e de incomparável bom gosto.


Esta mulher é ditosa entre todas. Cobre seu corpo com o amor. Ela se mexe o tempo todo. Trabalha muito e de bom grado, dá conta das tarefas caseiras, além daquelas que eu sempre proporciono e que não são poucas.
Mulher que sempre abre a mão ao aflito, que cuida dos doentes e necessitados.
Ela sabe se estive presente em algum lugar, quando ausente. Conhece meu rastro, minha marca, pois os papéis de balas, de bombos, biscoitos nunca os joguei no lixo. Tampouco lavo os copos que sujo, e, o que uso, desde o creme dental ao galheteiro deixo destampados.
É ela quem, bem tarde, passa e vai consertando o meu desmazelo.
Mulher que sempre me fez o bem e não o mal, ainda que por muitas vezes eu não tenha aceitado determinadas atitudes de sua parte.
Às vezes ralha comigo, porque ando lhe desobedecendo em muitas coisas.
Mas, mesmo assim, digo que tenho o verdadeiro amor da mais bela flor de todos os jardins.
A mais real rainha de toda uma realeza!
Ela é a minha Mãe!
Eu te amo, minha querida MAMÃE!




Dos sentimentos de filha de
Marilene Marques
Região do Vale do Aço – MG.



Obs.: Todas as obras publicadas na Sala de Protheus
são de inteira responsabilidade de seus autores.