sexta-feira, 22 de abril de 2016

#PensarNaoDoi:

Controle!

“... Quando uma criatura humana desperta
para um grande sonho e sobre ele lança toda
a força de sua alma, todo o universo
conspira a seu favor...!”

Johann Goethe

O que se passa na sua cabeça, quando a coloca, a noite, sobre o travesseiro?
Você faz uma espécie de “balanço” de como foi o seu dia; de como se comportou no trabalho, com seus amigos...
Como foi tolerante com aquele colega nervosinho e cheio de manias de querer controlar tudo.... Como tratou bem à senhora idosa que te encontra sempre.... Como foi gentil com o servente.... Que cumprimentou o porteiro.... Que se lembrou de ligar para sua mãe.... Ou algum parente próximo e importante...
Assim você “acha” que tudo correu como “planejou”. Tem certeza?
Você se sente livre podendo fazer exatamente tudo o que quer fazer.... Aonde ir.... Com quem estar... O que fazer nos finais de semana.... Isto é liberdade?

A liberdade não é um sonho construído por suas ilusões.
Não. Ela está apenas ali.... Do outro lado do grande muro construído por outras ilusões; as da hipocrisia... As da mediocridade... As da mesmice...
Afinal você precisa se comportar igualmente, como todos.... Com todos. Você não pode sair da “linha” que a dita “sociedade” criou, não é mesmo?
Será que foi a sociedade ou você se inseriu por comodismo neste tal modo de vida?
Será que você não preferiu seguir o que todo mundo faz e consegue, exatamente para estar na pretensa “liberdade” que eles falam?
Mas e a sua liberdade... Como ela é...
Ela está logo ali... Atrás deste grande muro que sua própria hipocrisia construiu na tentativa vã de se igualar a todos.... Mesmo você sendo, assim, tão diferente.
Não! Calma! Não estou me referindo a nenhum preconceito de raça, cor, religião.... Do tipo certinho... Bonitinho... Padrão.... Não!
Você apenas se transformou com muito afinco, estudo, dedicação, esforço contínuo em mais um ser que “conseguiu”...
Esta bem! Vamos continuar no seu “jogo”. Este você aprendeu a jogar direitinho. Você joga o mesmo jogo que todos jogam. Sabe todas as regras, nunca as ultrapassa.... Está sempre bem e esta crescendo.
Mesmo? Para onde? Para cima.... Ou para dentro?
Como era sua consciência antes de você entrar neste “jogo” da hipocrisia... Onde você tinha o controle até de suas ilusões... De todos os sonhos. Ah, e como eram gigantescos... Belos.... Diferentes.
Mas de repente, não mais que de repente tudo desapareceu. Você aprendeu as regras, direitinho, e começou a jogar o jogo “deles”... Sim, deles... De todos. Do todo. E você se transformou rapidinho, em um deles.... Eis o modelo atual de sucesso.
O certinho “dentro da caixinha”... Bela embalagem... Conteúdo mais ou menos interessante... Certo conhecimento adquirido... Você até se julga um pouco culto... Diz que lê bastante... Conhece muitos lugares... Centenas de milhares de tipos de pessoas... Você se tornou mais um especialista em generalidades! Ótimo. Eis a visão perfeita do sucesso!
Todos gostam de você.... Em certos lugares você até é considerado um modelo.... É sua mãe ficaria impressionadíssima em ver quão longe foi sua cria...

Mas resta uma derradeira pergunta: Você conseguiu mesmo tudo o que desejava? Você é feliz? Você ama?
Ah, já sei estou sendo jocoso e esta maneira e pensar pode soar até uma espécie de transferência, com o objetivo de te levar para algum lugar...
Se pensou, algo parecido com isso.... Errou redondamente.
Minha experiência de meio século com quase tudo o que foi dito acima é que acabamos construindo uma espécie de prisão ultra segura e nela temos o controle absoluto. Aprisionamos todos os pensamentos negativos, todos os erros, todos os defeitos até as feiuras da alma.... Tudo está preso e controlado por esta suposta construção hipócrita do jogo da vida.
Nada mais errôneo que isso.... Aos poucos você irá perceber que você apenas jogou o jogo deles.... Uma vida toda. Você, no fundo, não viveu.... Não amou.... Não sofreu nada.... Tudo foi conforme seu planejamento. Tudo era controlado. Você sempre teve o controle.... Mesmo? Tem certeza disso...
Jung o discípulo de Freud deixou escrito: “Perguntei a mim mesmo: ‘Que mito você esta vivendo? E descobri que não sabia. Por isso... decidi conhecer o meu mito, e considerei esta como a maior das tarefas.”.

Você viveu em torno de um “mito” criado pelos outros e se adequou certinho ao modelo proposto. Fez tudo certo. Era este teu sonho?
Considera-se um ser livre? 
Como é a “contabilidade” de sua mente, à noite, hoje, ao encostar a cabeça no “divã da consciência” o travesseiro – à noite?
Um – para mim um dos únicos – filósofos realmente brasilês, Mathias Ayres, deixou escrito em sua única obra um pouco conhecida de pesquisadores (professores de filosofia o desconhecem) - Reflexões sobre a Vaidade dos Homens, 1778:
“De todas as paixões, a que mais se esconde é a vaidade: e se esconde de tal forma, que a si mesma se oculta, e ignora: ainda as ações mais pias nascem muitas vezes de uma vaidade mística, que quem a tem, não a conhece nem a distingue: a satisfação própria que a alma recebe é como um espelho em que nos vemos superiores aos mais homens pelo bem que obramos, e nisso consiste a vaidade obrar o bem.”.
Agora que você pensou um pouquinho “fora da caixinha”, ainda acha que tem o controle de sua vida? E se tiver este controle é sobre quem ou o quê?

A propósito você é feliz? Ainda sonha? Ou permanece nesta liberdade dentro dos muros de uma “Prisão” pseudo-segura onde só cabe você?
Pode pensar.... Não dói!
Os sonhos tornam a vida vívida, sem eles não somos...
O poetinha gaúcho Mario Quintana gostava de dizer:
“Sonhar é acordar-se para dentro...! ”
Que tal acordar.... Bem, tente enquanto ainda está vivo!



Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Postado originalmente no Grupo Kasal – Vitória – ES.
http://konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=27675#.Vxo7OfkrLNM
Arquivos da Sala de Protheus
www.epensarnaodoi.blogspot.com.br