quarta-feira, 25 de novembro de 2015


 

Mãe Helicóptero... Mãe Bolha... Mãe Protetora...


“... Mãe é o amor que fica quando tudo passa...!”

 

Assistindo uma reportagem em uma determinada emissora... O assunto cunhou minha atenção pela matéria, me identificando com a mesma.
O tema usado, é o verdadeiro "MOLDE", que me enquadro como mãe.
Totalmente equivocada, esquecendo que meus dois filhos (Gêmeos), Frederico e Grégory, quando nasceram, o "umbigo", que era o elo, que nos mantinha unidos, fora rompido há 27 anos.
A partir desse momento... Cada um passou a ser uma pessoa, com sua maneira peculiar de ser e viver sua própria história... De acordo seus objetivos e vontades...


Sempre me deparo ao encontro deles, na mesma confusão, tentando guiar suas próprias vidas... Mostrando caminhos... Que muitas das vezes não se alinham aos meus... Pois são vontades e sonhos distintos.
Sinto que as vezes sou invasiva, querendo direcionar a vida de dois "marmanjos barbados", que sabem muito bem o querem.
Esse modelo de mãe que sou, excessivamente protetora, acaba sendo uma "entrave" para as escolhas dos meus filhos.


Os filhos precisam caminhar sozinhos... Sentirem-se capazes... Seguros... Felizes, rompendo barreiras... Caminhar com  nos seus próprios passos... Cair... Levantar... Aprender a tomar decisões e executá-las, sentirem-se prontos... Independentes, em busca dos seus projetos.
O excesso de proteção torna-os dependentes... Inseguros, e fazem sentirem-se incapazes. A educação é um exemplo constante para passarmos a eles, mas as escolhas são deles... Por isso existe o "Livre arbítrio!”. "Mãe helicóptero", fica o tempo todo monitorando o filho. "Mãe Bolha" é fechar o filho somente pra si.


Essa matéria, pra mim, caiu como uma "Luva", para que eu possa refletir e, deixar meus filhos alçarem seus próprios voos... No alcance dos seus sonhos... E voarem livres em busca das suas escolhas e vontades...
Lembrando: Khalil Gibran quando deixou, em uma de suas obras, o texto mensagem: Filhos:


Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados. 


Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetam, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanece estável."


 

Entendimentos & Compreensões
Fontes: Khalil Gibran Khalil
Da obra - "O Profeta!”
Edit. Record – São Paulo - SP
VALÉRIA FERNANDES
Consultora Política
Goiânia – GO.

 

 

Obs.:
Todas as obras publicadas na Sala de Protheus
são de inteira responsabilidade de seus autores.
O Editor!