quarta-feira, 10 de junho de 2015


#PensarNaoDoi:

 

“Embrutecimento...?”


“... Tiremos rápido os despreparados para

novas mudanças do “leme do barco”.

Busquemos com urgência os intelectuais,

patriotas, honestos! O “iceberg” está se

aproximando! Ou mudamos, ou

morreremos todos “congelados” nesse

mar de espera. Com analfabetos, intelectuais

e toda herança política do faz de conta. ACORDA BRASIL...!”

 


 

A constatação acima foi deste amigo paulista de Guarulhos, em sua ultima postagem no sitio (com link abaixo) em que escreveu, fazendo uma análise do brasilês que vota e do que é votado. Estamos embrutecendo! Como assim? Utilizando o Gerúndio: estamos embrutecendo! Ou no Particípio Passado: já estamos embrutecidos! Este verbo intransitivo em nossa amada língua portuguesa brasilesa significa: tornar-se bruto; Deixar de possuir a habilidade de pensar sobre os assuntos ou coisas; desumanizar-se.

O amigo paulista referiu-se ao momento e de certa forma, em nossa raiz politizada ou não. Sim temos uma raiz politizada, até os anos trinta, do século, recém-terminado.


Após, novamente, ele tem razão: Embrutecemo-nos, ou para utilizar uma subjetividade, algo mais vulgarizado (porem compreensível) estamos “emburrecendo!”. Com todo o respeito ao quadrupede que nada tem a ver com a história. Com exceção dos registros, hoje junto às bibliotecas das Forças Armadas de nosso amado Brasil nada possuiu de histórico registrado neste período exceto a obra: A Verdade Sufocada! De Carlos Alberto Brilhante Ustra, Coronel Reformado do Exército Brasilês, e que já esta na décima edição. Com isso se foi nossa educação, e nos embrutecemos... Um verdadeiro retrocesso cultural. Tornamo-nos uma espécie de “babaca”: que no latim, Balbu significava gago e originou o verbo balbutiare (gaguejar, falar obscuramente). O que escutamos quando um “politico brasilês” abre sua bocarra. Em nossa amada Língua Portuguesa Brasilesa, balbutiare deu balbuciar e balbu virou bobo, porque uma das gracinhas que os bobos da corte faziam era imitar gago. Antigamente os bobos da corte se destacavam por sua indumentária Atualmente muitos trajam de terno e gravata e não gaguejam o que dificulta sua identificação imediata. Se tiver um cargo como prenome de político fica mais fácil.


Mas porque tudo isso? Porque temos um governo que não governa... Temos um congresso que não legisla (a nãos ser em causa própria) e que esta deixando o país a “ver navios”... Outra expressão popular que tem significado histórico... Mas esta é outra conversa.

Retornando ao que meu amigo paulista se referiu como: Analfabetos políticos & funcionais? Sim, o fez em forma de pergunta. Desta forma você fica com a obrigação de pensar e não de receber “respostas prontas” das quais, “dar opinião” se torna facilitado, inclusive para analfabetos funcionais, que dirá de políticos então. Então não somos democratas? Na forma da lei sim. Na prática não. Pois temos um monte de deveres e obrigações: Inclusive a de votar – que é obrigatório – La se foi uma partezinha da democracia... “obrigado à...” – Pagamos os mais altos impostos do mundo... Pelo “impostômetro” (ate isto já criamos) na cidade de São Paulo, já ultrapassamos  1 TRILHÃO de reais em impostos pagos... Ou seja, obrigações. Mas e os deveres do estado para com o cidadão?


 Bem isto não existe. Como assim estou afirmando? Sim estou afirmando. Se você pegar nossa Constituição Federal (a qual 85% dela ainda ao foi regulamentada) fraquíssima, e olhar no índice verá Diretos e Deveres e a página indicada. Pois bem: Desafio você a achar os Deveres, dentro de nossa CF. Nem se dê ao trabalho de procurar. Não existe. Sim, estou afirmando novamente: Não Existe!

Só temos direitos: Pagar impostos – obrigatório - votar em três níveis, municipal, estadual e federal, - obrigatório – Tirarmos documentação que tem prazo de validade como se fossemos mercadoria: Sim, até a carteira de identidade tem validade de 10 anos. A de motorista? Bem, começa pelo tamanho de sua carteira – a de dinheiro, é claro - Enfim todos são obrigados. Isto é democracia?


Depois quem fiscaliza? Ninguém! A não ser os não pagamentos, ou seja, os recebimentos do dito Estado (governo) para isto a fiscalização é horripilante, de outro lado: Nada! Absolutamente nada. Por isso, meu amigo paulista direcionou mesmo como pergunta quase que uma afirmação: somos analfabetos políticos e funcionais. Não pensamos... Só falamos... Ou gaguejamos com os Bobos da Corte... E em nosso caso, como a corte (Governo, Congresso, Câmara, STF e os outros dois níveis – estadual e municipal) é grande com mais de 200 milhões precisamos, em igual proporção de bobos da corte para alimentar todos os imbecis que nós, os idiotizados colocamos lá.

Simples assim. E agora?

Bem, agora é colhermos os resultados que plantamos.

Você sabe o que plantou?

Pode pensar... Não Dói!

 

 

Entendimentos & Compreensões

Leituras & Pensamentos da Madrugada

Transpirado de meu amigo Oliveira

De seu sitio https://grupomoneybr.wordpress.com/