domingo, 29 de março de 2015


Série #PensarNaoDoi:

De Boas Intenções
O Inferno Está Cheio!
 “O Diabo (...) o espirito orgulhoso (...)
não tolera ser motivo de chacota...!”
 
Thomas More
  
                        O mês de março para os gaúchos é mês de renovação. Os que possuem laços mais estreitados com os costumes do estado costumam dizer: Que assim como as árvores e muitos bichos (animais) trocam a casca e a pele, o “taura” (homem/mulher forte, valente) também se recolhe e se renova para enfrentar o inverno. Esse mostram suas caras algumas vezes até o final de abril. Dá um descanso para o sulista no mês de maio quando, geralmente, temos uma temporada mais amena. O gaúcho chama de “veranico” – um pequeno verão antes de começar o inverno.
                        Mas março também é consagrado historicamente pela alusão das “águas de março”. O título ficou famoso, com a música cantada pela grande gauchinha Ellis Regina. Mas também por ser o mês da contrarrevolução, em muitos aspectos, e o contra golpe das Forças Armadas Brasilesas contra o comunismo em 1964. O que muitos desavisados ou ainda mal informados chamaram de Ditadura Militar.
                        Hoje, meio século depois nossa amada pátria e mãe gentil já sabe a diferença entre um golpe contra a entrada do comunismo no Brasil àquela época com o que estamos vivendo hoje. Agora sim uma ditadura socialista – disfarçada de democracia – mas arrombada de seus alicerces com a verdadeira face deste tipo de desgoverno ou sistema que alguns ainda o chamam disso.
                          Eis que os chamados “herois populares” se transformaram nos “demônios” da existência de duas gerações. A que viveu os anos ditos “de chumbo”, de 1964, acompanhada da nova, a de agora.
                        Somente podemos saber o que é bom ou ruim se tivermos algo para comparar. Finalmente o Brasilês esta tendo esta comparação e vendo que de “falsos ídolos” a “encantadores de serpentes”, passando até por alguns que se diziam “bem intencionados”, lotamos o inferno. Não o de Dante, mas sim muito mais de nossas Ilusões Perdidas. Agora em referencia a obra de Balzac.
O curioso desta frase – utilizada no título inicial – é sua origem:
                             Ela é de autoria de um teólogo e santo famoso, o francês São Bernardo de Clairvaux (1090-1153). Muito místico, travou grandes polêmicas com o celebre namorado de Heloísa, o também teólogo e filósofo escolástico Pedro Abelardo (1079-1142). Conselheiro de reis e papas, São Bernardo pregou a Segunda Cruzada, destacando-se no combate àqueles que eram considerados hereges por ousarem interpretar de modos plurais a ortodoxia católica. A frase foi brandida, não apenas contra seus desafetos, mas também a seus aliados, e tornou-se proverbial para denunciar que as boas intenções além de não serem suficientes, podem levar a fins contrários aos esperados.
                             Pedro Abelardo e Heloisa são símbolos dos namorados, na França, por seu amor proibido. Suas sepulturas recebem rosas vermelhas, às toneladas, no dia dos namorados na França.
                            Assim parafraseando São Bernardo, em nosso Brasil atual, podemos também brandir não apenas contra os corruptos, agora famosos em todo o mundo, mas também os corruptores, seus ditos aliados que de uma hora para outra, na intenção de inocentarem-se de suas ações, entregam as listas em rolos de seus, até então, comparsas.
                             Nossas boas intenções ainda permanecem intactas, enquanto for aludida a grande parte do povo Brasilês. Perdoando-se, como bons cristãos, os hereges que colocaram tais personagens no cenário tétrico político de nosso amado Brasil. Eis que hoje estes já estão quase “convertidos” após arrependerem-se de seus pecados. E se sentirem também injustiçados por suas escolhas. Estas que levaram muitos outros irmãos, estres crédulos de um Brasil purista, ao mesmo barco que naufraga pouco antes de chegar a costa. Agora todos parecem querer ajudar aos outros a chegar com muito esforço até a praia mais próxima.
                            Vendo que mesmo ao construir uma nova nau estarão sem um capitão para seu comando. Enquanto isso, efetuam conversam entre si. Admitem seus “pecados”, mesmo que muitos não aceitam as “penitências” a que estarão todos, crentes e descrentes sujeitos a tais sacrifícios em nome de um crédito ofertado a falsos “santos”, cujas promessas não somente, não foram cumpridas, como dilaceraram muitas esperanças ainda depositadas no coração de muitos de seus irmãos.
                            O novo período, após este “invernico” será passar pelo derradeiro frio e gelo do inverno esperançoso de que venha uma primavera florida, perfumada. Desta forma, acalmar almas e aquietar corações desconfortados durante um longo período de turbulências em que muitos já não sabiam nem quem eram e onde estavam.
                             Mas assim como o gaúcho se acostuma às intempéries, tenho fé de que os brasileses, mesmo acostumados a altas temperaturas externas, passem agora pelos “outonos” de suas vidas e um inverno de corações “gelados” por suas escolhas.
                            Porém também podemos ter fé e esperança, de que agora convertidos não creiamos mais em “falsos profetas”, nem de seres que se dizem dotados de boas intenções, pois descobrimos que destes o inferno já esta lotado.
Podem pensar... Não Dói!
Por vocês... Por seus filhos e, é claro, pelo Brasil!

 

Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Percepções do Brasil Atual
Pesquisa:
Nossos Ditos & Mitos
Deonísio da Silva – Edit. Mandarin – 1998