quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

" A Politica do Puxa-Puxa! - Ou a Não-política - "







“... O socialismo (a utilização do Estado para
resolver problemas sociais) afeta negativamente
a moral pela destruição da vontade e da
capacidade individual de cuidar dos entes
queridos e dos amigos...!”.

 dos pensamentos de Glen L. Pearson –
Prof. da Univ. de Brighan Young, Provo, Utah, EUA.

                            Para se discutir o extremamente óbvio, é preciso saber, antes de qualquer coisa, que a natureza humana não é modificada pelos controles sociais, econômicos que são impostos pelos governos. Ela só pode ser melhorada pela persuasão e pelo exemplo; no entanto, as pessoas não se tornam melhores ou piores numa economia mista ou em uma economia livre, a não ser na medida em que as oportunidades para “pecar” aumentam ou diminuam.

Isto tudo dito, pela simples razão, de que percebendo nos últimos tempos, levamos em plena "cabeça", as afirmações, não menos grotescas, que as ações praticadas pelos afirmantes no decorrer do tempo. Até o momento não há explicação, lógica, para o fato de toda uma oposição política – se é que ela existe - não ter conquistado vitória à administração nacional. É muito tempo, em que todos dizem que tem “coisas” demais erradas. E em sendo errôneas, nada surge? Bem, talvez não existam, de fato. Somente justificativas. E quando justificamos demais sabemos que não há explicação plausível. Parece inferência? Sim. Pois é a partir dela que se fazem deduções e disso decorre a formação de uma hipótese. Estão comprovadas nas atitudes de "politiqueiros", (a subjetividade é referente àquele que pratica exclusivamente a política do partido) "velhas raposas", verdadeiros "experts" em política. Tanto, que até o momento não conseguiram, além da exposição de suas ideias, conquistarem nada. Salvo uma ou duas exceções. Das raposas, é claro.

Por incompetência? Ou talvez, a cartilha política esteja errada, e se vislumbre urgente necessidade de modificá-la? Certamente estas velhas "aves de rapina", possuam a resposta. Mas este recrudescendente "puxa-puxa" tem levado uma nação inteira ao colapso político, e consequentemente administrativo. (obras superfaturadas, transposição do Rio São Francisco, para citar alguma coisa) Mas, também, é bom que se diga, que além de grandes teorias sobre o "como-fazer-melhor-em-pouco-tempo", destes, tem ficado exclusivamente na retórica, diga-se de passagem, bastante imprecisa. Afinal, o desconhecimento, de fato, coloca-nos em posição assustadora.

Henry Maksoud tinha uma maneira peculiar de se referir, a estes discursos. Dizia ele: "O debate político brasileiro peca, fundamentalmente, por imprecisão conceitual. Fala-se em democracia como um fim, quando ela não passa de um meio, um método de tomada de decisão. Fala-se em "liberdades Políticas", quando a liberdade é uma só, a individual. Criticam-se sistemas autoritaristas, mas defende-se o distributivismo e exige-se a participação da máquina administrativa em questões que não são de sua competência".

Em outras palavras, o que mais necessitamos, como um dos únicos remédios, não para curar totalmente esta ignorância política, mas tranquilamente, para ir tratando aos poucos, desta mesma doença, é a renovação. E não apenas a renovação conceitual, mas renovação de fato, Começando embaixo. Sim em prefeituras, associações, - muitas institucionalizadas - entidades afins, nos partidos políticos, principalmente, e é claro na administração pública.

Qualquer teoria diferente, das necessidades que se apresentam hoje, seria perigosa, e entrariam no campo retórico de quem as profere. Exatamente da mesma maneira "sapiente", que estas velhas raposas ainda teimam, marcando passo, em continuar afirmando aos quatro ventos. Nos partidos, é necessário que se vislumbre novas oportunidades, principalmente, de criação e ou, incentivo de novas lideranças, sob pena de se ver, por muito mais tempo, os pecados cometidos até o momento. E isto vale para todos os partidos. Afinal, coerência, já era algo usado e muito pelos gregos da antiguidade. O restante é simplesmente puxa-puxa.

Pessoal e intransferível é claro.
Afinal Pensar Não Dói...!

Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Publicado em 08.02.2013 em Profe Borto: