sábado, 17 de janeiro de 2015


Não Sufoque A Criança
Que Existem Em Você!

Quando você faz um desejo
na direção de uma estrela
Não faz diferença quem você é;
Qualquer coisa que o
seu coração deseje
Irá se tornar realidade;
Se seu coração está nos
seus sonhos,
Nenhum pedido é extremo;
Quando você faz um desejo
na direção de uma estrela,
Como sonhadores fazem
O destino é amável;
Ela traz para aquele que ama,
A doce satisfação de seus
segredos de amor;
Oh, como um barco fora do azul,
O destino caminha e vê o
que você desejou;
Quando você faz um desejo
na direção de uma estrela,
Seus sonhos se tornam realidade;
Se seu coração está nos seus sonhos
Nenhum pedido é extremo,
Quando você deseja uma
estrela lá de cima;
Como sonhadores fazem
Woah, quando você faz um
desejo na direção de uma estrela,
Seus sonhos se tornam realidade... mmm...
(When You Wish Upon A Star,
Tema central da trilha sonora do filme Pinóquio)
                           Pense bem... Quem criou e escreveu todas as histórias infantis que conhecemos que não tenha sido um ADULTO?
                        Não só escrever fantasias “infantis”, mas todo adulto tem condições de, quando, em idade avançada, desenvolver um “pensamento muito bom”, e assim, “explodindo” sua criatividade, concretizar seus desejos, imaginados quando criança.
                              A criatividade do adulto, portanto, não é pensada racionalmente senão o resultado do mais puro, sincero e inocente desejo de criança que o indivíduo armazenou em seu inconsciente, externada na idade madura.
                          Quem, de fato, tem os mais puros e sinceros pensamentos que não as crianças? Quem nada teme e se lança em realizar todo e qualquer instinto que emerge em determinado momento, que não uma criança?
                            Em outro giro, quem é que freia esses instintos naturais dos infantes que não seja o adulto? Um adulto que no transcorrer da própria vida acondicionou em seu subconsciente toda sensação de medo e negação que outro lhe apresentou quando aquele era criança?
                       MEDO... Sentimento que pode gerar inúmeras reações. Quanto mais um adulto alimentar esse sentir em uma criança, menos chances ela terá de se tornar um adulto criativo e produtivo. O adulto sabe que o ser humano não pode voar. Mas um dia, quando era criança, se um adulto, ao invés de lhe impingir medo e meras repreensões, lhe ensinou que um ser humano não pode se lançar das alturas como uma ave, mas pode sonhar e “viajar” até onde pretenda, essa criança, quando adulto, se transformará em um ser humano rico em gerar e aproveitar oportunidades. Uma máquina de realizar desejos!
                        Mas... O que vemos normal e comumente? Adultos “travados”, “revoltados” com os adultos com os quais mantiveram contato enquanto crianças e consigo próprios; adultos cheios de temores e medos que os impedem de “voar”, sentimentos esses que, sem pejos, repassam aos filhos, netos, bisnetos e demais crianças com as quais mantém contato.
                        No entanto, não precisa ser assim porque todo adulto mantém dentro de si os mesmos sentimentos que tinha enquanto criança, cujas sinapses podem ter sido aplacadas por um adulto, mas não dizimadas. As sinapses que são feitas ao longo dos primeiros anos de vida, se por um motivo ou outro são “atacadas” por um desajeitado adulto, mais à frente elas podem ser restabelecidas se o indivíduo assim o desejar.
                              Os sonhos de uma criança podem não ser realizados na tenra idade porque os conhecimentos necessários a tanto ainda não foram apreendidos, porém, a partir dos conhecimentos científicos que possa haurir ao longo de sua frequência escolar, do primário à academia, aprendendo regras e teorias científicas, pode, quando adulto, concretizar aqueles sonhos de infância e assim... Voilá... “uma estrela satisfez o desejo externado”!
                             Quando criança temos a plena capacidade de sonhar e quando adulto a de realizá-los porque as células são as menores unidades pensantes do organismo humano, por isso mesmo é que não podemos dissociar o que se institucionalizou chamar de CRIANÇA do que também costumamos chamar de ADULTO!
                                 Os adultos que não sonham não vivem e, em não vivendo, se ocupam em destruir os que lhe rodeiam.
Assim... NUNCA MATE A SUA CRIANÇA INTERIOR!

 
Entendimentos & Compreensões
Dos Pensamentos e Diálogos com  
Minha admiradíssima amiga
Regilene Santos do Nascimento
Especialista Jurídica
Brasília  -  DF.