quarta-feira, 3 de abril de 2013

Sociedade dos Poetas Mortos




 #SOSEducação -   






“... O amor é o objetivo último de quase toda preocupação humana;é por isso que ele influencia nos assuntos mais relevantes,interrompe as tarefas mais sérias e por vezes desorienta as cabeças mais geniais...!”

Dos pensamentos de Schopenhauer


Tenho sido abençoado com alguns privilégios; Dentre eles, está em ter uma “coleção especialíssima”: amigos sábios. Sim àqueles, principalmente, que sabem que Pensar Não Dói!

Dentre estes, está o Escritor, como é conhecido no Twitter, Professor Nelson Valente, jornalista, escritor, professor, pesquisador e um currículo de busca e disseminação incomparável para o conhecimento humano.

E em humano sendo dissemina, compartilha com o coração o que pesquisa e escreve. Está fazendo uma série de crônicas sobre o que está por trás de cada imagem e palavra de uma novela. Nesse Caso Salve Jorge, e seus escritos estão indo, por partes sendo divulgados em http://www.gibanet.com/2013/03/27/salve-jorge-a-invasao-dos-signos-1a-parte/.

Na ultima semana me brindou, afetuosamente, através de nossas discussões no Twitter com uma pérola que transcrevo abaixo com todo meu afeto.
 A escola está preocupada em ensinar, e não em fazer o aluno aprender a pensar.

A chegada do professor Keating ao internato mexeu com as estruturas da instituição, baseada nos princípios da tradição-honra-disciplina-excelência. Embora ex-aluno da Welton School, Keating professava um estilo dito revolucionário, nas suas aulas de literatura inglesa e no relacionamento proposto aos seus discípulos.

O resultado é fácil de imaginar. Esta é a trama central do filme Sociedade dos Poetas Mortos, dirigido por Peter Weir, e que foi um dos premiados com o Oscar da Academia de Cinema de Hollywood.

As cenas se passam em 1959 e colocam em evidência os conflitos entre o conservadorismo expresso pela direção exercida pelo anglicano Nolan e o jovem mestre, que entra na sala de aula assoviando a 1812, para espanto dos seus engravatados alunos.

Logo depois, manda arrancar as folhas de Introdução à Poesia, de Pritchard, sob a alegação de que era um texto superado. Keating, interpretado pelo excelente Robin Willians, permite que os seus alunos subam nas mesas, joga futebol, com eles, incentiva Neil a ser ator, contrariando o pai autoritário, que o retira da escola, ameaçando-o com uma academia militar:

- Você não tem nada que pensar, deixe que o faça por você! Pressionado e angustiado, Neil se suicida, com o revólver do pai. Foi uma das cenas mais fortes desse filme de altíssima qualidade.

Questiona-se até onde deve ir a autoridade paterna, chocando-se com a vocação do filho, este amparado pelo professor compreensivo e amigo. Após o suicídio, a família de Neil processa a escola, responsabilizando-a pelo desvio do jovem adolescente. E é claro que a culpa recai sobre Keating, para quem a verdadeira educação é a que induz o indivíduo a escolher o que gosta, o que está dentro de si, e não o que lhe é imposto.

Por isso mesmo, faz da legenda latina carpe diem (aproveite o dia) o seu lema permanente. Quando preciso, as aulas eram dadas no pátio da escola, com forte sensibilização do aluno para o objeto do estudo, sem passar pela teorização. Histórias sobre educação e métodos pedagógicos, em geral, produzem trabalhos de pouco apelo popular. Não foi o que aconteceu com Dead Poets Society.

O seu sucesso internacional mostra, acima e tudo, um incrível interesse pelas relações entre autoritarismo e liberdade, pais e filhos, colegas entre si. Aliás, o filho focaliza, em fortes contornos, a figura do dedo-duro Cameron, um lourinho subserviente, que criticava o professor querido da turma, pelos seus excessos de liberalidade. Foi ele que contou à diretoria o que se passava em classe. Keating é expulso de Welton , Nolan retoma as suas aulas e o faz dentro do estilo conservador de sempre.

Quando Keating entra na sala para apanhar os seus pertences, numa cena valorizada pela música de Maurice Jarre, alguns dos alunos, mais chegados reagem à sua saída. Sobem à mesa, num gesto de solidariedade, enquanto Keating se comove, chegando às lágrimas. O diretor esbraveja, protesta, mas a atitude dos jovens é mais forte – e é o que fica da mensagem embutida nesta obra-prima do cinema contemporâneo. O professor e imortal da Academia Brasileira de Letras, Arnaldo Niskier, diz:

- É um filme que deve ser visto e discutido pelos educadores brasileiros, aos quais se recomenda atenção para o que ele representa em termos de educação moderna.


Das pesquisas, Entendimentos & Compreensões, e,
principalmente, da Generosidade de Nelson Valente –
professor universitário, jornalista e escritor