quinta-feira, 18 de abril de 2013


Do Ato de Escrever!

– Seus Costumes e Estilos –

#SOSEducação!


  






“... Um discurso é um texto oralizado. Demétrio costumava

dizer que não existe nenhum diferença entre as palavras

e a voz dos inexpertos ignorantes e os sons  e estrépitos

causados pelo ventre repleto de supérfluo vento. E  dizia

isso não sem razão uma vez que não julgava haver diferença

entre a parte de onde emitiam a voz (ou escreviam), as partes

inferiores ou a boca, pois tanto uma quanto outra tinham

o mesmo valor e substância...!”

Leonardo da Vinci, em Pensieri, 102.

  

Tenho circulado, ou melhor, utilizando a linguagem virtual, “navegado” em meio a textos, escritos, artigos, crônicas, pensamentos ou simplesmente escrivinhações (sim, aquele verbo transitivo que quer dizer escrever sem arte, nem gosto, coisas sem grande importância; rabiscar, rascunhar). E tenho conhecido maravilhas escritas, transpiradas. Gente talentosa que faz das palavras uma vocação verdadeiramente pura para a educação – o que mais necessitamos no Brasil -.

 Outros porem, se retornasse ao fundamental, fariam um favor a si mesmo.

Utilizei no inicio o pensamento de um italiano, artista e cientista, citando o pensador cristão do século quatorze, Demétrio. Cerca de duzentos anos depois, outro italiano, se manifestava parecido. Este L. Pirandello, escritor, deixou na primeira parte de Seis Personagens à Procura do Autor:

“... Frases! Frases! Como se o conforto de todos, diante de um fato que não se explica, diante de um mal que nos consome, não fosse encontrar uma palavra que não diz nada e na qual nos tranquilizamos...!”

Porém para esta grande maioria falta, literalmente, estilo. Sim, aquela maneira particular de escrever, de exprimir o pensamento. Aquele conjunto de características de uma obra, de um autor, de um momento ou época. Inserindo um modo de vida, um procedimento, uma atitude, uma maneira de ser. Sim estilo de escrever. Não estou me referindo ao Estilo internacional, que é a arquitetura funcional, de formas cúbicas e sem ornamentos, criada por Le Corbusier, Gropius, Mies van der Rohe, por arquitetos do grupo De Stijl, e que foi adotada em numerosos países a partir de 1945.

Talvez a forma mais clara disso, seja buscar Sobre o Oficio do Escritor e o Estilo. Da Leitura e dos Livros. Da língua e das palavras – 1851, 28 (295a ), do filósofo alemão Arthur Shopenhauer cuja primeira edição chegou ao Brasil em  2003  pela  Martins Fontes.

Retirei alguns trechos, exatamente, sobre este estilo e sobre o ofício da escrita. E prestem atenção, estou falando de escrever e de estilo. Longe de chegar perto da linguagem e nela me referindo a Língua Portuguesa Brasilesa. Esta sim causa verdadeira dor de cabeça nos grandes escritores clássicos desse País. E uma espécie de “dorzinha de barriga” nos professores de Língua Portuguesa.

Shopenhauer referia-se a esse estilo afirmando:
Há dois tipos de escritor: os que escrevem por amor do assunto e os que escrevem por escrever. Aqueles tiveram ideais ou fizeram experiências que lhes parecem dignas de serem comunicadas; estes precisam de dinheiro, e por isso escrevem, por dinheiro.

Podem ser reconhecidos pela sua tendência a prolongar ao máximo seus pensamentos e expô-los com meias verdades, obviedades, de maneira forçada e oscilante, em geral também por seu amor pelo claro ou escuro, a fim de parecer o que não são, por tal razão, faltam precisão e clareza completa ao seu texto. Sendo assim, pode-se logo notar que escrevem para preencher o papel.

Textos são escritos ora a respeito deste, ora a respeito daquele grande espírito do passado, e o publico que os lê, mas não lê as obras escritas por eles, porque quer ler apenas as obras que acabaram de ser impressas, e a bisbilhotice fútil e insípida de uma cabeça superficial hodierna lhe é mais homogênea e agradável do que os pensamentos de um grande espírito.

Oh, como se assemelham as cabeças comuns da mesma espécie! De fato, todas elas foram produzidas a partir do mesmo molde! É incrível, como a cada uma vem em mente a mesma ideia na mesma ocasião, e nada mais!
 
Acrescente-se a isso suas baixas intenções pessoas. E a bisbilhotice indigna de tais sujeitos e é lida por um público estúpido, basta que tenha sido estampada naquele mesmo dia, enquanto os grandes espíritos descansam na prateleira dos livros.

É realmente inacreditável a tolice a e improcedência do público, que deixa de ler aqueles que, em todos os gêneros, são os espíritos mais nobres e raros de todos os tempos e países, para ler as escrivinhações diárias dessas cabeças comuns, que todo ano surgem em quantidade imensuráveis,  como as moscas – meramente porque foram estampadas naquele mesmo dia e ainda estão úmidas de tinta.

Tais produções deveriam, antes, permanecer abandonadas e desprezadas já no dia do seu nascimento, como de fato o serão após poucos anos e depois para sempre, um material sem valor que servirá apenas para rir dos tempos passados e de suas patranhas.

Para o argentino Jorge Luis Borges – a quem todo iniciante na arte de escrever deveria ler – (...)é no espaço do texto onde tudo pode acontecer inclusive o despertar para a vida, inclusive o entendimento perante o dilema da morte, genitora de outros nascimentos...!”.

Ótimo. Escrevinhe, treine. Mas depois escreva. Junte a emoção, pois como afirmava Borges: Não existe leitor ruim, existem péssimos escritores.

Continue e Pense... Afinal, ainda não dói!


Entendimentos & Compreensões
Leituras & Pensamentos da Madrugada
Publicado no Grupo Kasal  - Vitória – ES –