segunda-feira, 5 de setembro de 2016


Sempre “agosto”...


“Quem em março come sardinha, 
em agosto lhe pica a espinha”.


Ditado português

Fiquei propositalmente “fora do ar” todo o mês de agosto por uma razão muito especial. Não queria ser um contribuinte responsável por mais uma “zica”, que este mês tem frequentemente contribuído para escrever algumas das páginas mais vergonhosas ao longo da nossa história. Mas, aos costumes, agosto não falhou, ou será que são nossos governantes que tem uma especial predileção atávica em “se ferrarem” nesse mês?

Mais uma vez agosto não decepcionou e veio a gosto.
Assistimos na semana passada no processo de impeachment da Presidente Dilma Vana Rousseff um atentado à Lei Máxima do Brasil e “alterou-se” a CF 88 através de um DVS – Destaque de Voto em Separado numa “penada só”, ou seja, uma decisão colegiada do Senado Federal teve a força de uma PEC – Proposta de Emenda Constitucional”, que precisa ser votada em dois turnos em ambas as Casas do Congresso. 


Da mesma forma, será que o Papa poderia, se decidisse, “alterar” a interpretação do Nono Mandamento. Não cobiçaras a mulher do próximo, a menos que o próximo não esteja MUITO próximo. O "papa" Ricardo Lewandowski não só aconselhou, como manobrou a favor do adultério, trincando as “pedras da lei". Não só se rasgou a Constituição, mas as páginas arrancadas foram usadas como “papel higiênico jurídico” para limpar a bunda dos senadores e depois serem jogadas na cara do cidadão.

Como diz o título, não é que as crises sejam marca de agosto, o mês, o que marca é que as “soluções mágicas” encontradas sempre são a gosto ... dos políticos. Principalmente dos enrolados na Lava a Jato, que por precaução, já criam antídotos para o “veneno da lei”. Ou será, que Renan Calheiros, Eduardo Cunha, outros trinta e tantos senadores e pelo menos quase duas centenas de deputados, isso sem contar a possibilidade de alguns magistrados da Suprema Corte, não estariam preventivamente “legislando em causa própria” para salvarem os “próprios rabos”. 
O ex-senador, cassado, Delcídio Amaral já pleiteia o mesmo direito e interpretação da lei. Não importa que essa outra lei seja a Ficha Limpa. Se mudaram a Constituição, que é a lei que prevalece sobre todas as leis, por que não mudar uma “leizinha de iniciativa popular”?


Fala-se muito em uma Reforma Política, que venha a equilibrar a representatividade e a disciplinar e moralizar todo o processo eleitoral, mas a meu ver a reforma mais importante é do conceito de que “pau que bate em Chico, também bata em Francisco”, ou seja, as leis tenham igual interpretação e consequência para todos. Caciques e índios dançando em redor da mesma fogueira.

Depois que isso estiver muito bem ensinado e aprendido, duvido que qualquer outra reforma seja difícil de ser implementada e que finalmente o Brasil possa ser considerado um país sério. Essa desconfiança mundial é atribuída exclusivamente à “insegurança jurídica” criada por nossos legisladores em favor da sua impunibilidade, tanto quanto a seu comportamento político, como para livrá-los do peso da lei frente às falcatruas, que cometem.
Esse é o verdadeiro “vem pra rua”, que deve mobilizar a cidadania. Caso não tenha efeito, que venha a “desobediência civil”. Se não fizer efeito, o que virá? ...
Uma guerra civil? Ou nova intervenção militar?
A escolha será sempre nossa ...


Entendimentos & Compreensões

De Antônio Figueiredo
Escritor paulista. Autor da obra 
Recém lançada: Voto Distrital - Este Me Representa.
Editora Garcia Edizione - 2016 - SP
#PEDIDOS http://tonifigo1945.com 
www.facebook/tonifigo1945
Arquivos da Sala de Protheus
ww.epensarnaodoi.blogspot.com.br 


Obs..:
Todas as obras publicadas na Sala de Protheus
São de inteira responsabilidade de seus autores.
O Editor!