domingo, 29 de janeiro de 2017

Mais Inteligência....Menos Violência!"

"SOSEducacao:

“Mais Inteligência... Menos Violência! ”

“... A perseverança é mais eficaz do que
a violência, e muitas coisas que, quando
reunidas, são invencíveis, cedem a quem
as enfrenta um pouco de cada vez...!”

Plutarco


Parece frase feita nos sentidos da autoajuda, mas é exatamente ao contrário. 
Em nova obra, Psicólogo de Harvard defende que: “(...) apesar de nos sentirmos rodeados por violência, ela diminuiu ao longo da história...(...)! ”
Steven Pinker, relata em livro novo, recém-chegado ao Brasil, que o aumento da inteligência se reflete em pontuações médias cada vez mais altas nos testes de raciocínio abstrato, e também o desenvolvimento da empatia entre os seres humanos, propiciaram um declive da barbárie nos últimos séculos.
Para o psicólogo Canadense, a alfabetização e o cosmopolitismo favoreceram uma troca de ideias em nível global que "possibilita a compreensão do mundo e facilita os acordos" entre distintas sociedades".
Diz mais Pinker:
"Apesar de atualmente nos sentirmos constantemente rodeados pela violência, em séculos anteriores a situação era muito pior. Impérios em colapso, conquistadores maníacos e invasões tribais" eram comuns,...!”
A arqueologia forense e a demografia sugerem que em torno de 15% dos indivíduos nas sociedades "pré-estatais" morriam de maneira violenta, uma proporção cinco vezes maior à registrada no século XX, apesar de suas guerras, genocídios e crises de fome.
Nesse sentido, Pinker aponta que a afirmação popular de que "o século XX é o mais sangrento da história" é uma mera "ilusão" que dificilmente pode ser apoiada em dados históricos. 

Em entrevista a revista Nature (mês de dezembro) Pinker relata que:
“A barbárie diminuiu comparada a épocas anteriores não só com relação a conflitos armados, mas também a comportamentos sociais, diz o pesquisador.” 

No século XIV, 40 em cada 100 mil pessoas morriam assassinadas, enquanto atualmente essa taxa se reduziu a 1,3 pessoas.
"Além disso, nos últimos séculos, a humanidade abandonou progressivamente práticas como os sacrifícios humanos, a perseguição de hereges e métodos cruéis de execução como a fogueira, a crucificação e a empalação". Continua o Psicólogo. 


Pinker atribui essa evolução ao aperfeiçoamento da racionalidade e não a um "sentido moral" dos seres humanos, que por si só serviu para "legitimar todo tipo de castigos sangrentos". 
"A propagação de normas morais tornou frequentes as represálias violentas por faltas como a blasfêmia, a heresia, a indecência e as ofensas contra os símbolos sagrados". 
O estudo ressalta que com o tempo o ser humano foi diversificando sua tendência ao comportamento agressivo, presente desde os primeiros Homo sapiens. 
"A racionalidade humana precisou de milhares de anos para concluir que não é bom escravizar outras pessoas, exterminar povos nativos, encarcerar homossexuais e iniciar guerras para restaurar a vaidade ferida de um rei", diz o psicólogo. 

O autor do estudo apoia sua tese sobre o aumento da inteligência em pesquisas anteriores, que mostram como o Quociente Intelectual (QI) médio aumenta a cada geração. 

"As empresas que vendem testes de inteligência têm que normalizar seus resultados periodicamente. Um adolescente médio de hoje em dia se voltasse a 1910 marcaria um QI de 130, enquanto uma pessoa típica do século XX não passaria da pontuação 70 atualmente", explica Pinker.
Mas por que nos parece que esta informação contradiz o que vemos, ouvimos e sabemos diariamente?
Pela informação estar mais rápida nos dias atuais. Hoje a informação é instantânea. Sabe-se o que ocorre no outro lado do planeta no mesmo instante em que acontecem os fatos.
Mesmo que muito distorcidos por quem os faz (imprensa no sentido geral) as redes tendem a contrastar estas informações, repassando exatamente o que está acontecendo. Comprovando, com isso, a teoria do psicólogo canadense, professor de Harvard, nos EUA.
Vemos isso acontecer no Brasil atual. Principalmente no meio político. O que se faz dentro de uma sala fechada do Congresso Nacional, logo o mundo fica sabendo.
Desta forma comprova, novamente, os estudos do psicólogo.
Traz esperanças esta informação e este estudo.
Ou seja: De uma forma ou de outra, estamos evoluindo, em um certo sentido, e podemos continuar a ter fé no ser humano...
Pensar não dói.... Estar atento a evolução, em todos os sentidos também não...



Entendimentos & Compreensões

Leituras & Pensamentos da Madrugada
Da última edição da Revista Nature
Publicado originalmente no Grupo Kasal –
Konvenios – Vitória – ES.
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28531#.WI5c0BsrKyI
Arquivos da Sala de Protheus.
https://salaprotheus.blogspot.com.br/