quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Sentidos Metaforizados!


#Literatura:

Sentidos Metaforizados!
                                                       
Eu sou assim

Lua em plenilúnio

Sol escaldante
Terra brava
Lago sereno
Estrela Faiscante!

Zinah Alexandrino – Fortaleza

Deixei escrito, mais por pirraça – eis que o meu “guri interior”, ainda permite-: “ não precisam me mandar presente de natal... Pode ser de Manaus, Brasília, Goiânia... Não importa o remetente...”!

Eis que bem antes do Natal, chega-me de Fortaleza. 

Ah, meu Ceará, que lembra o amado nordeste.... De lá chega-me o melhor dos presentes: A nova obra literária da escritora premiadíssima e esmerada em seus escritos Zinah Alexandrino, a qual sou grande admirador.
Uma obra chamada “Metáforas dos Sentidos”, pela Editora Premius.
Lindíssimas poesias transpiradas desta autora magnifica, adornando sua obra perfeita com uma capa que eleva os sentidos. Entre a Lua, e um Lobo uivando, como se cumprimentando-a, e na luz uma fada sentada.
Ah, Zinah, e suas peraltices poéticas. Até nas imagens.
Zinah, inicia sua obra citando Honoré de Balzac, para explicar seu amor à poesia que lhe vem de dentro.
Com um prefácio, extremamente poético, gentil, porém humilde, em toda a descrição que esta escritora brasilesa merece, está outra autora incomparável: Giselda Medeiros, da Academia Cearense de letras.
Falar de Zinah, é chover no molhado. Dona de dezenas de obras, todas premiadas nacional e internacionalmente.
Parodiando Giselda, em seu prefácio, digo que esta “oficina de palavras”, a qual Zinah está sempre debruçada saem de suas “ferramentas” da mente divina e um coração gigantesco, todas elas, as palavras tão necessárias para concluir o ano louco que foi 2016.
É uma obra para começar 2017, deliciando-se, literalmente digerindo cada belíssima poesia que fica agora para a posteridade.
“As Minhas Estações”, à página 21, deixa escrito Zinah:

Meu dia se fez madrugada
E ainda não vieste...
Mesmo que retornes
Com o inverno, em mim,
Haverá sempre primaveras

Meus dias de outono
E de verão já se dissiparam;
Tuas promessas de volta,
Com eles, navegaram.

Agora, não me restam
Mais estações à tua espera.
Mas, em mim, até voltares,
O tempo continuará a ser
Para sempre, essa quimera.
                                       
As palavras brotando das poesias, vão penetrando na alma, e fazendo o coração quase parar.... Ah, algo e tão profundo em cada poesia que toca a alma.... Não tem como não brotar, vez por outra, uma lágrima, teimosa, e escorrer pela face.... Ao ler poesias de Zinah.

Ela tem este poder de encantamento através das palavras bem ditas.

Até as melancolias nos fazem bem. Como se lavassem a nossa própria, de nossa alma. De nossos recônditos mais profundos.
Pulo para a página 81, senão colocarei toda a obra aqui.
Lá Zinah, traz SETE;

Privei-me de gulodices,

Esqueci-me dos tesouros deste mundo,

Condenei a luxuria.
A ira não habita em mim...
Da inveja estou distante,
O sumo da preguiça nunca me alcançou.
Soberba eu não sou; e não tenho prazo de validade.

Até em suas “contabilidades” emocionais, Zinah revela, para nós simples mortais e leitores, a grandiosidade que alcançou para a poesia do Brasil neste tempo.

Ultrapassas o limite da admiração, e para não cair nos exageros, geralmente efetuados em críticas literárias, limito-me a deixar dito:

Que privilégio lê-la, senti-la, conhece-la, poder amá-la, através do que lhe vem do coração transpirado de amor puro e nos contagia de tal forma que ficamos embebecidos de suspiros elevados por ser que amamos, que amaremos.... Que somos.
Digníssima obra desta amadíssima Nordestina presenteando o Brasil.
Dos sentidos, após ler as obras, tudo ficou metaforizado. 
Dos sentimentos adquiridos tudo ficou clarificado.
Das emoções recebidas tudo ficou lacrimejado, pelo que transpiram as palavras em significados tão.... Tão.... Tão....
Sugiro a leitura. Mas prepare-se para um emaranhado ou junção de todos os teus sentimentos... E administre-os. 
Eis o efeito de ler Zinah.
Obrigado nobre escritora e poetisa Brasilesa por nos presentear com tanta divindade literária.
Que sejamos merecedores.
Pensar não dói.... Ler as poesias de Zinah eleva-nos!




Entendimentos & Compreensões

Leituras & Pensamentos da Madrugada

Da obra Metáfora dos Sentidos 
De Zinah Alexandrino 
Editora Premius – Fortaleza – Ceará- 2016

Publicado originalmente no Grupo Kasal
Konvenios - Vitória - ES. 
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28450

Arquivos da Sala de Protheus