quinta-feira, 13 de outubro de 2016

A Mestra!

#SOSEducacao:

A Mestra!


                                     Esta é a modesta e sincera homenagem que posso agora prestar como tributo de gratidão, a memória daquela que, sob moldes humaníssimos e quase maternos, abriu-me a réstia de luz da alfabetização da cartilha “Caminho Suave” de nossa educadora paulista, Branca Alves de Lima.


                                       Morreu, neste início de século e de milênio, a educadora Branca Alves de Lima, aos 90 anos, deixando órfãos aqueles que acreditam que a alfabetização com cartilhas não só funciona muito bem como é mais simples do que essa “moda” atual do construtivismo.

                                    A vida de Branca Alves de Lima, autora da cartilha ‘Caminho Suave’, é a síntese de um dos principais males – se não do principal mal – da Educação brasileira: o enorme desrespeito dos gestores e das políticas públicas educacionais em relação aos professores e professoras, aos estudantes e suas famílias.

                                 O sucesso da cartilha ‘Caminho Suave’. Eles (o governo, o MEC e o Guia do Livro Didático, o Conselho Nacional de Educação, as secretarias de Educação etc.) estão projetando, quase decretando, que os alunos não usem mais cartilhas.

                              Veja hoje o caso dos ciclos. Professores e professoras que há décadas têm na reprovação seu principal recurso de disciplina foram, de uma hora para outra, proibidos de usá-la. Mesmo com a proibição e à margem do Currículo Escolar, avós, pais, parentes, amigos e professores, indicam a cartilha ‘Caminho Suave’, na alfabetização de seus entes queridos.

                                  Branca Alves de Lima concebeu, em meados do século passado, a cartilha ‘Caminho Suave’, que vendeu cerca de 40 milhões de exemplares desde então. Mais de 48 milhões dos brasileiros adultos de hoje foram alfabetizados por ela.


                            Finalizo aqui com um poema de sua autoria, denominado “Casa Pequenina” e extraído da cartilha “Caminho Suave”, método analítico, e a poesia de autoria de Vicente de Carvalho “A flor e a fonte” elaborada para crianças que hoje cursam a segunda série do ensino fundamental.

Uma casa na colina,
Pequenina Amarela,

Um quartinho, uma cozinha
E gerânios na janela.

Ciscando lá no terreiro
Um galo, um peru e um pato
E o céu azul espelhado

Na água mansa do regato.
Muito verde em toda a volta,
Trepadeiras na cancela,
Uma mãe e uma criança
Completando a aquarela.


(*) A Flor e a Fonte


“Deixa-me, fonte!” Dizia
A flor, tonta de terror.
E a fonte, sonora e fria,
Cantava, levando a flor.


“Deixa-me, deixa-me, fonte!”
Dizia a flor a chorar:
“Eu fui nascida no monte…
“Não me leves para o mar”.
E a fonte, rápida e fria,


Com um sussurro zombador,
Por sobre a areia corria,
Corria levando a flor.
“Ai, balanços do meu galho,


“Balanços do berço meu;
“Ai, claras gotas de orvalho
“Caídas do azul do céu!…
Chorava a flor, e gemia,


Branca, branca de terror,
E a fonte, sonora e fria
Rolava levando a flor.


“Adeus, sombra das ramadas,
“Cantigas do rouxinol;
“Ai, festa das madrugadas,
“Doçuras do pôr do sol;
“Carícia das brisas leves
“Que abrem rasgões de luar…
“Fonte, fonte, não me leves,
“Não me leves para o mar!…”


As correntezas da vida
E os restos do meu amor
Resvalam numa descida
Como a da fonte e da flor…






Entendimentos & Compreensões

Homenagem do Professor, Jornalista
E escritor Nelson Valente.
Já postado em:
http://gibanet.com/2012/09/07/homenagem-a-educadora-paulista-branca-alves-de-lima-autora-da-cartilha-caminho-suave/
*Autor do poema - Vicente de Carvalho
Imagens: Google Imagens
Arquivos da Sala de Protheus