segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Lista Fechada? Digo Não...!


Lista Fechada...? Digo Não...! 
“Se não confio nos partidos e 

nem nos seus políticos, 
por que confiarei 
nas suas Listas? ”.

O Autor


Vamos continuar a discutir política, como desafiei na última crônica? E o ponto agora é a proposta de adoção de “listas fechadas” para as eleições proporcionais, que corre na Câmara Federal como um dos pontos da Reforma Política.

Ainda que em paralelo o Senado “corra” com a Cláusula de Barreira e o fim das coligações proporcionais como fórmula saneadora do excesso de partidos e as “aberrações” dos “carregadores de votos”, que elegem aqueles que jamais foram votados nas urnas, essa solução apresentada pela Câmara nos deixaria nas mãos dos atuais “grandes partidos” e seus critérios de escolha de candidatos para essa lista, que sabemos de interesses muito distantes dos eleitores.


No meu livro VOTO DISTRITAL – ESTE ME REPRESENTA faço uma ampla exposição do que é um distrito, a formação partidária a partir dos distritos e os sistemas de listas adequados e com certeza “lista fechada” não se enquadra aos melhores desejos do eleitor distrital. E a razão é muito simples. Existem distritos onde a competição entre partidos é muito forte e saudável para a representatividade, mas não podemos nos esquecer de uma grande maioria dentre os mais de 5.570 municípios do país onde menos partidos se organizam e por isso prevalecem os interesses dos coronéis sobre seus currais eleitorais e por consequência eleitores, sem mais opções.
Além disso a atual legislação é muito vaga e omissa quanto ao Domicílio Eleitoral, também muito bem explicado no livro, que permitiria que candidatos dos grandes centros urbanos, convenientemente mudassem seu “domicílio” sem mudar de casa.
Uma Reforma Política que não contemple de forma integrada todos esses pontos e inclua a Fidelidade Partidária, com o mandato sendo de propriedade do partido, para evitar o troca-troca partidário eleitoreiro, jamais representará uma reforma verdadeira. Como se diz na Bahia será sempre um “armengue conveniente”, que os políticos tradicionalmente fazem para fazer prevalecer seus interesses corporativos em relação aos reais anseios da população.
A sociedade somente será ouvida se a pressão exercida deixar claro o que efetivamente queremos e esperamos e isso só ocorrerá se essa mesma sociedade, conscientemente souber o que “quer e espera” dos seus representantes.
Nestas eleições municipais aconteceu um fenômeno que bem explica o comprometimento de candidatos a partidos e suas opções ao seu corolário ideológico e programático e este não é um fenômeno novo. Como já havia ocorrido em 2002/3 com o fracasso do Governo FHC, quando muitos candidatos se desfiliaram do PSDB e apareceram como “cristãos novos” em partidos não alinhados, agora ex-integrantes do PT renegaram partido, suas cores e até sua estrela.


A pergunta que se faz é se nenhum partido apresenta programas e matiz ideológico permanentemente defensável? Naqueles tempos queriam se livrar da pecha de “privateiros” e agora da de “ladrões”. Como defender partidos e candidatos que “camaleonicamente” mudam de acordo com o “panorama eleitoral” de uma oportunidade.
É valido que os partidos façam uma revisão de seus programas e ajustem-se ideologicamente aos novos ventos históricos, mas não que “escondam” suas bandeiras e símbolos pelo desgaste sofrido durante um período no Poder.
Erros de avaliação e planejamento são admissíveis em um mundo globalizado permanentemente em mudança e adequação, mas a filosofia defendida por um partido é permanente e sua marca. Assim, um partido e sua filosofia política devem prevalecer sempre, seja em tempos de bonança ou aziagos.
Pense, cidadão e principalmente informe-se, sem o que continuaremos indefinidamente após cada crise a buscar culpados e não soluções para os problemas, que infelizmente só atribularão ao cidadão e à sociedade.
Para eles nada mudar após uma discussão, já é uma boa mudança.


Entendimentos & Compreensões

De Antônio Figueiredo
Escritor paulista autor da obra 
Voto Distrital - Este Me Representa.
Editora Garcia Edizione - 2016 - SP
#PEDIDOS http://tonifigo1945.com 
Arquivos da Sala de Protheus
ww.epensarnaodoi.blogspot.com.br 


Obs..:
Todas as obras publicadas na Sala de Protheus
São de inteira responsabilidade de seus autores.
O Editor!