terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Adeus a Doutrinação!

#SOSEducacao:

Adeus a Doutrinação!

                                 
“...Brasil é um lugar onde pensam que

educação é sinônimo de escola.
E político é eleito apenas por
defender a construção delas...!”



S. Breguêdo

Enquanto escrevia, o Congresso aprovava as medidas de “Reforma do Ensino Médio”, no Brasil!

Este Congresso não representa mais ninguém, moralmente e legalmente. 
O "legalmente" quanto grande parte deles estão sendo investigados.... Se sobrar é algo, em torno de meia dúzia, dos mais de 550 seres que não merecem ser chamados de parlamentares, para não ofender pares de outros países onde funcionam como representantes dignos do cidadão.
Junto com o professor Catarinense Nelson Valente, criamos, nas Redes, a hashtag #SOSEducacão e nos últimos 5 anos estamos batendo nesta tecla.
A reforma do Ensino Médio é basicamente querer mudar o adolescente pela “criança” que ele não teve.
Não vão fazer alteração na base (Ensino fundamental) por quê?
Fácil!



Desde o início da década de 70, Freyre introduziu o Marxismo e o Gramscismo nos projetos de ensino do MEC, e nas cabecinhas que hoje todos conhecem como “gentalha esquerdalha”.
Seus “projetinhos”, que conhecemos nos últimos 13 anos era de nos transformar em Republiqueta de ditadozinho barato, à exemplo de vários países da África.
Os regimes marxistas ruíram na Europa depois de quase um século de opressão e miséria. Sua vertente cato comunista da Teologia da Libertação impregnou, no entanto, a Igreja da América Latina e penetrou na política partidária do continente, com a ajuda da Universidade e de intelectuais devotados à causa, como os seguidores dos frankfurteanos, dos pós-modernistas e dos desconstrucionistas. 
E nós? Ficamos quietinhos com raríssimas exceções que logo foram caladas. De uma forma ou outra. Hoje o projeto “contaminou” todos os setores da sociedade e precisamos de tratamento em termos de “pandemia”, pois generalizou.


O professor Nelson Valente, quando indagado por mim, que desse dez sugestões, sim um decálogo (já que é moda desde Lenin) para melhorar o nosso ensino.
Ele foi curto e grosso! (se me permitem utilizar o jargão gaúcho)
Disse o professor: 

                                                 Defendemos o decálogo:

1. Criar cursos técnicos, de acordo com as necessidades do mercado de trabalho e reservar 800 horas para a sua ministração, na 3 ª série, deixando a escolha a cargo dos alunos;
2. Preparar professores para os cursos técnicos;
3. Elevar para 70% o domínio de Matemática e Leitura, num prazo de 5 anos;
4. Ampliar o número de escolas de tempo integral, com professores de dedicação exclusiva e salários compatíveis;
5. Considerar o potencial da educação a distância. O Brasil tem, hoje, 1,1 milhão de alunos frequentando os vários cursos dessa modalidade;
6. Construir bibliotecas e laboratórios, especialmente de informática;
7. Criar, dentre os gestores escolares, o cargo de Inspetor de Qualidade de Ensino (IQE), para acompanhar adequadamente o cumprimento pleno do currículo escolar;
8. Cuidar efetivamente da assistência aos alunos portadores de necessidades especiais, incluindo-se as altas habilidades (superdotados);
9. Oferecer bônus aos professores e especialistas por resultados;
10. Corrigir a defasagem idade/série.
Temos também a esperança de que a educação a distância seja também de extrema utilidade no ensino médio.
Agora que você sabe um pouco mais, pense por teus filhos.... Se não for por você.
Afinal, pensar ainda não dói...


Entendimentos & Compreensões

Das Conversas com o Professor
Nelson Valente – Blumenau – SC
Publicado originalmente no Grupo Kasal
Konvenios – Vitória – ES.
http://www.konvenios.com.br/info/verArtigo.aspx?a-id=28570#.WKtWizsrKyI
Arquivos da Sala de Protheus 
https://salaprotheus.blogspot.com.br/