sábado, 1 de março de 2014


A Mestra em Língua Portuguesa Brasilesa
e Mineira Claudia Carvalho – É a convidada
da Sala Protheus



Descaminhos da Providência!




“...Quando houver desacertos nas relações,
faça um diálogo, uma ponte para transpor
os descaminhos. Entenda que ceder não é fraquejar;
e agredir não é fortalecer-se. A tolerância mútua
 é o principio que norteia a boa convivência...!”

Inácio Dantas
  
  
Em um extremo da cidade, um jovem músico treina seus acordes. No  outro extremo, uma jovem escritora, traduz um livro de romance trágico. No íntimo de cada um, uma certeza: Um dia, glorioso dia, os uniria em uma linda, súbita e mítica paixão.

Tal intuição era bela e vinha na forma do pensamento que trazia a certeza de que algo de bom iria enfim acontecer. Porém ainda mais instigante de que essa certeza era a incerteza, a aventura do desconhecido.

Naquele ano, o inverno parecia extraordinariamente mais frio, para a nossa jovem escritora, com seus arroubos românticos e sentimentais. O céu, sempre cinza, sem raio de sol algum, causava-lhe uma inexplicável angústia, a ponto de sentir vontade de chorar ao caminhar pelas ruas.

Mas o que ainda não contei é que por uma grande ironia, ou capricho do destino, apenas uma parede de apartamento separava aquelas dois corações prontos para receber o amor. Ambos, cada um no seu canto, com seus sonhos. Eles não se conheciam

Seus caminhos nunca se cruzavam. Se ela andava para direita, ele ia pela esquerda. Um sempre na contramão do outro. Sol encoberto por passageiras nuvens e nada, os dois não se encontravam.

Financeiramente as coisas não iam nada bem para nosso jovem músico. Então, vez ou outra ele tocava seu violino em algum lugar bem frequentado para ganhar um extra! Este, quando não estava praticando em seu violino, passeava pelos parques, pelas ruas, observava as pessoas, acariciava a cabeça de algum cão vira-latas. Às vezes ele se sentia vazio e sem forças.

A vaga sensação de melancolia tomava o coração das pessoas na tarde cinzenta. E ambos trilhavam seus caminhos sempre em lados opostos! Às vezes observavam as mesmas pessoas, acariciavam o mesmo vira-lata. Eles também tinham o costumar de jogar milho aos pombos! Os mesmos pombos! Porém sem se notar! Eles são como a maior parte das pessoas nas grandes cidades que não se conhecem! E apenas uma parede de apartamento os separava.

Mas existem acasos tristes e acasos felizes nessa vida! E naquela tarde de fim de semana, por providência divina, diriam alguns, ou simples coincidência, diriam outros menos românticos, duas linhas paralelas, podem enfim se cruzar.

O dia de glória chegara para ambos. Passeavam no mesmo parque sem nunca se encontrar, mas, naquele dia, naquele inesquecível e lindo dia, eles se encontraram na fonte dos desejos! Ambos pediam a mesma coisa que já podemos imaginar. A atração e afinidade entre os jovens foram fortes e recíprocas. Os dois se olham e naquele instante o sol brilhou para o jovem casal. Ao se olharem foi como se se reconhecessem de algum lugar, parecia que se conheciam a anos, a séculos, a vidas!



Eles passam uma tarde doce e feliz. Suas almas eram com de duas crianças bailando em ciranda de roda. Roda da felicidade, roda do amor, roda da fortuna, roda da providência. No entanto, os dois novamente se perdem. Meses se passam e ele chega ela sai, ela vai, ele vem nunca se encontram!

Os dias ficam cinza em pleno verão, mas queria os céus que aquelas almas se unissem para sempre e vivessem aquele amor latente a gerações e mais gerações. Parecia tudo perdido quando, a cidade passa por uma reforma.
Bendita reforma.

Casas e terrenos, apartamentos são desapropriados! Outros apenas passaram por ligeiras reformas. E foi numa só marretada, quando uma brecha se abre na parede de apartamento que os separava, que ambos veem através  do buraco que se fez, a face da felicidade!

Às vezes o que parece longe está ao nosso lado. Os sinais são sublimes.
O amor é sublime.

Portanto Ame... Muito!




Entendimentos & Compreensões
Dos pensamentos de minha amiga
Cláudia Ezídgia de Carvalho  - Minas Gerais -
Licenciatura em Língua Portuguesa Brasilesa
 Universidade Federal de Ouro Preto
Mestrado em Literatura Comparada
Unicamp – SP